english
espanol

buscar



todos las palabras
cualquier palabra
medios
imágenes
audio
vídeo



publicar
Publique sus artículos con archivos de texto, imágenes, audio o vídeo de manera instantánea.

faq
editorial
ayuda
contacto
enlaces


Sitios con información sobre Ecuador y la región

LIBRERED
REBELION
LA HAINE
NOTICIAS DEL SUR

Encriptar tu navegación

Yasuní Por la vida hay que firmar, Gota 1

Visitas de abril 2014

contador de visitas

Campañas Permanentes

Recibe nuestras noticias

Tu e-mail


Siguenos en redes Sociales



Otros CMIs::


www.indymedia.org

Projects
print
radio
satellite tv
video

Africa
ambazonia
canarias
estrecho / madiaq
kenya
nigeria
south africa

Canada
hamilton
london, ontario
maritimes
montreal
ontario
ottawa
quebec
thunder bay
vancouver
victoria
windsor
winnipeg

East Asia
burma
jakarta
japan
manila
qc

Europe
alacant
andorra
antwerpen
armenia
athens
austria
barcelona
belarus
belgium
belgrade
bristol
bulgaria
croatia
cyprus
estrecho / madiaq
euskal herria
galiza
germany
grenoble
hungary
ireland
istanbul
italy
la plana
liege
lille
madrid
malta
marseille
nantes
netherlands
nice
norway
oost-vlaanderen
paris/île-de-france
poland
portugal
romania
russia
scotland
sverige
switzerland
thessaloniki
toulouse
ukraine
united kingdom
valencia
west vlaanderen

Latin America
argentina
bolivia
brasil
chiapas
chile
chile sur
colombia
ecuador
mexico
peru
puerto rico
qollasuyu
rosario
santiago
tijuana
uruguay
valparaiso
venezuela

Oceania
adelaide
aotearoa
brisbane
burma
darwin
jakarta
manila
melbourne
oceania
perth
qc
sydney

South Asia
india
mumbai

United States
arizona
arkansas
atlanta
austin
baltimore
big muddy
binghamton
boston
buffalo
charlottesville
chicago
cleveland
colorado
columbus
danbury, ct
dc
hampton roads, va
hawaii
houston
hudson mohawk
idaho
ithaca
kansas city
la
madison
maine
miami
michigan
milwaukee
minneapolis/st. paul
new hampshire
new jersey
new mexico
new orleans
north carolina
north texas
nyc
oklahoma
omaha
philadelphia
pittsburgh
portland
richmond
rochester
rogue valley
saint louis
san diego
san francisco
san francisco bay area
santa barbara
santa cruz, ca
seattle
tallahassee-red hills
tampa bay
tennessee
united states
urbana-champaign
utah
vermont
western mass
worcester

West Asia
armenia
beirut
israel
palestine

Topics
biotech

Process
discussion
fbi/legal updates
indymedia faq
mailing lists
process & imc docs
tech
volunteer
Indymedia es un colectivo de medios independientes y cientos de periodistas que ofrece noticias con perspectiva de base de los problemas críticos de la globalización.

faq | editorial | ayuda | contacto | enlaces | publicar

¿QUE ES LA GLOBALIZACION?

Oscar Sánchez Fernández de la Vega 19.04.2003 11:28

¿QUÉ ES LA GLOBALIZACION? (AMAZON)
CAUSAS, CARACTERÍSTICAS Y CONSECUENCIAS
Según el libro ?DIEZ HORAS CON LA GLOBALIZACION?
Autor :Oscar Sánchez Fernández de la Vega
Editorial NETBIBLO (www.netbiblo.com)
Más información: WWW.AMAZON.COM,
WWW.GOOGLE.COM
WWW.YAHOO.COM

¡POR UNA GLOBALIZACIÓN QUE SITÚE EN SU CENTRO EL DESARROLLO HUMANO INDIVIDUAL!





¿QUÉ ES LA GLOBALIZACION? (AMAZON)
CAUSAS, CARACTERÍSTICAS Y CONSECUENCIAS
Según el libro ?DIEZ HORAS CON LA GLOBALIZACION?

C A U S A S
Básicamente, la GLOBALIZACIÓN es el resultado de la confluencia de la mundialización de la economía (A), la eclosión de las nuevas tecnologías(B), la cobertura planetaria de las comunicaciones (C) (en especial al fenómeno Internet) y de la creciente importancia que en los últimos años está adquiriendo el factor conocimiento y en concreto la innovación en los distintos sectores económicos(D).

C A R A C T E R Í S T I C A S
Se trata de un fenómeno consustancial a la última década (1).
Es un fenómeno objetivo (2), multidimensional (3), asincrono(4) y multicéntrico(5).

C O N S E C U E N C I A S
Tiene unas consecuencias que ya están presentes:
-Facilita que la universalización sea más posible que nunca (afecta a todos en cuestiones primordiales para la humanidad, es decir en temas que se han universalizado como son los que conciernen a derechos humanos, ampliados en las
últimas décadas por los planteamientos ecológicos y en los últimos meses por los ataques del terrorismo internacional).
-Permite que lo pequeño, lo local y al propio individuo adquirir importancia, si existe significación.
-Muerte de la distancia.
-Nueva importancia de la geografía.
-Aceleración del tiempo.
-Desparición de intermediarios innecesarios (en el comercio, la política...)
-Cambios en el sistema de transmisión de inteligencia en las organizaciones
-Una nueva forma de hacer economía, basada en el conocimiento, sustentada en una organización red y apoyada en las nuevas tecnologías.
-Compatibiliza la diversidad cultural con el espacio global
-Quiebra los dos principios básicos sobre los que se sustentaron los modelos educativos tradicionales: secuenciación y jerarquización

Tiene otras consecuencias que se anuncian:
-Mejora de la calidad democrática
-Creación de entidades supranacionales destinadas a escrutar el proceso global.
-Sociedad Civil
-Gobernabilidad Planetaria.
-Constitucionalismo Global.
-Precarización de los caducos estados-nación.
-Revitalización de los pueblos- nación.
-Paso de la Sociedad de la Información a la Sociedad del Conocimiento Útil
-Acercamiento entre el Sistema Social Piramidal (código creado por nosotros mismos, al menos desde hace 6000 años, regulador de las relaciones individuales en una sociedad concreta, en crisis y responsable de un delirante aislamiento personal egocéntrico que frena el inevitable proceso de individualización) y la Sociedad Humana (creación espontánea de un mundo de relación para el que estamos biológicamente preparados, formada actualmente por individuos-no plenos/el individuo-pleno, que jamás existirá aislado, solo vive en nosotros mismos como una posibilidad de futuro).


(A) Mundialización de la Economía
Empezamos a ser conscientes que la globalización es mucho más que la mundialización de la economía. El aislar este concepto de su identificación con la globalización es una condición sin la cual no es posible llegar a entender el proceso global.
La mundialización de la economía (una de las causas de la globalización , pero no la única) que sí tiene precedentes históricos, esta PROVOCADA por:
+la integración de los mercados financieros ( mejora de la financiación global),
+la apertura de los mercados en general(liberalización,desregulación, apertura de
fronteras)
+La mejora en : comunicaciones (bajada costes de trasporte), movilidad de capitales, tecnología, materias primas, bienes ,servicios, información, trabajadores cualificados y en menor medida los no cualificados
Y QUE TRAJO COMO CONSECUENCIA:
+el desarrollo del Comercio, de los servicios en general y de los aplicados a la empresa en
particular (Terceriacización de la industria).
+la fragmentación geográfica de la producción
+la apartición de ?Alianzas ?(Capital +Tecnología)


(B) Eclosión de las nuevas tecnologías.
En las últimas décadas, pero sobre todo en la última podemos hablar de una auténtica revolución tecnológica , en el campo de la genómica, la informática, las telecomunicaciones, la nanotecnología, de los materiales etc.

(C) Cobertura planetaria de las comunicaciones.
Las nuevas redes y los satélites orbitales cambiaron radicalmente el panorama de las telecomunicaciones y hoy circulan y hoy circulan por ellas todas las informaciones que conciernen al saector servicios y hasta los más íntimos contactos personales. Esto último implica cambiuos transcendentales, la información circula por la red escapando a tendencias monopolizadoras y siendo aseqible en gran parte del mundo a costes bajísimos. Ya no hace falta ser grande para pooseeer información y lo que es más importante para transmitirla.

(D) Nueva importancia del factor conocimiento en la esfera tecnoproductiva.
En un mundo globalizado, las compañías, sean de la nacionalidad que sean, no tienen el control de los precios. Estos los fija el mercado internacional. Por ello los aumentos de costes hay que compensarlos con una mayor productividad, que se consigue con una mayor utilización de las nuevas tecnologías, con la investigación, la innovación y en general con una nueva forma de hacer economía. Solo de esta manera se pueden aumentar los beneficios cuando no se pueden subir los precios).

Características del proceso global
(1) El fenómeno no tiene precedentes paradigmáticos.
A finales del XIX había ya una economía mundial, e incluso antes, pero ni el espectro del comercio de bienes y servicios, ni el número de países y empresas implicadas, ni la evolución tecnológica, ni el nivel de flujos financieros y de capitales, de aquel entonces es parangonable con el que se produjo en la última década en la que el capital multinacional se ha aliado con la tecnología, surgiendo en torno a la misma importantes alianzas estratégicas.
Tanto la eclosión de las nuevas tecnologías, como la cobertura planetaria de las comuniccaiones-fenómeno Internet y el que el factor conocimiento se haya convertido en el nuevo paradigma del proceso productivo, son factores coadyuvantes consustanciales a la última década.

(2)Es un fenómeno objetivo porque no depende de nuestro modo de pensar o sentir, nos afecta idependientemente de nuestra situación económica o geográfica. Hasta los propios críticos con el proceso global hablan y escriben como si este fuese ya un hecho definitivo e irreversible , que lo es.
No es algo retórico, ni una ideología, por mucho que los neoliberales intenten activar este hecho dentro de su contexto ideológico.
Los europeos no podemos seguir entreteniéndonos en hacer análisis, bajo presupuestos ideologicos o como si el proceso global fuese una opción y no un hecho objetivo. El perder el tiempo hablando de antiglobalización, globalofilia o globalofobia es entregar las oportunidades a aquellos que están asimilando la globalización en todos sus matices. Caso de EE.UU.
El enfrentarse verticalmente a la globalización es un disparate similar al Ludismo de principios del XIX (movimiento obrero que pretendía destruir las máquinas y los centros fabriles, porque consideraba que la Revolución Industrial iba a acabar con el trabajo y a traer la miseria y la desgracia).

(3) Es multidimensional, ya que se manifiesta en múltiples aspectos.
Identificar globalización con mundialización de la economía es simplificar un concepto, que como mínimo es precisable. El proceso global se está presentando además como un estado de ánimo, un cambio cultural y de mentalidad, como una posibilidad de que surja una nueva sociedad civil global, y por lo tanto como algo con capacidad suficiente no solo para afectar a nuestra organización social, económica o política, sino también a nuestros principios, valores, creencias y en general a todas aquellas cosmovisiones que han sido referencias paradigmáticas de nuestra forma de ver y entender el mundo.

(4) Es asincrónico. Existen aspectos más desarrollados que otros. La evolución de sus distintos aspectos no es equitativa. En ciertos aspectos el proceso global está muy avanzado, como puede ser en lo relacionado con los movimientos de capitales, de tecnología, de bienes y servicios, en la integración de los mercados financieros, mientras que en otros aspectos (derechos humanos, ecológicos, económicos, políticos y sociales, movimiento de personas ...) no lo está tanto. Es decir el proceso se presenta de momento asincrónico y su desarrollo de sus aspectos no es equitativo.

(5)Es un fenómeno multicéntrico. No es total desde el punto de visto geográfico.
El nuevo contexto mundial de las comunicaciones ha disminuido la distancia y sin embargo le está dando una nuev aimportancia a la geografía, ya que mientras internet y las nuevas tecnologías de comuniccaión, de nueva generación, no avancen, esta puede convertirse en un factor de discriminación. Ciertas zonas del Planeta tendrán infraestructuras que permitirán un tráfico que permite la utilización de un Internet más rápido, mientras que otras no podrán beneficiarse e incluso muchos no podrán ni acceder a la red.
Por ello entre todos hemos de procurar que se creen las condiciones adecuadas para que todos podamos acceder a la nueva sociedad del conocimiento con una igualdda de oportunidades, sin que nadie pudiera llegar a considerar al conocimiento como algo ajeno asimismo. De lo contrario podría surgir un nuevo tipo de alienación generada por el extrañamiento, en aquellos que se encontraran marginados de la posibilidad de alcanzarlo.






Consecuencias de la globalización: aspectos generales
Hasta los propios críticos con el proceso global hablan y escriben como si este fuese ya un hecho definitivo e irreversible, que lo es. Si verdaderamente la globalización es un proceso objetivo e irreversible, susceptible de ser escrutado y mejorado, lo que realmente importa en estos momentos es plantear el gran debate sobre las consecuencias de todo este proceso en movimiento acelerado
La globalización está teniendo unas consecuencias claras e inequívocas: unas que ya han hecho acto de presencia (agonía de la distancia, aceleración del tiempo, desaparición de los intermediarios inútiles, cambios en el sistema piramidal de transmisión de la inteligencia en las organizaciones, nueva forma de hacer economía....) y otras que se anuncian (mejora de la calidad de la democracia, creación de entidades supranacionales que escruten el proceso global, constitucionalismo global, nueva sociedad global,....).
Todos debemos asumir el imperativo categórico de luchar por una nueva sociedad en la que todos podamos acceder en igualdad de condiciones al conocimiento, sin que nadie pudiera llegar a considerarlo ajeno así mismo. De lo contrario podría surgir un nuevo tipo de alineación generada por su extrañamiento, en aquellos que se encontraran marginados de la posibilidad de alcanzarlo (alienación del conocimiento ?extrañamiento del conocimiento)
Si bien es cierto que el proceso global no es totalmente benigno si parece razonable reconocer que muchas de sus manifestaciones son indudablemente positivas.
¿Es posible ya en este momento imaginar que un empresario pueda renunciar a utilizar Internet, con la posibilidad de bajar sus costes generales publicitarios, mejorar su comunicación con deudores y acreedores, de rediseñar sus ingresos, bajar costes, mejorar sus ventas y por lo tanto su beneficio?
¿Estamos dispuestos a renunciar a las ventajas de la informática, la telefonía móvil o la televisión por satélite o cable?.
Incluso, ¿podemos impedir que nuestros hijos comuniquen sus neuroquímicos impulsos afectivos por Internet?.
¿Nos vamos a oponer a que los médicos nos apliquen una terapia genética de gran eficacia en vez de una decimonónica de dudosa efectividad?
¿Vamos a impedir que de células madre (stem cells) sometidas a técnicas de clonación, se creen tejidos y órganos nuevos que puedan sustituir a los propios dañados gravemente..?.
¿Podemos renunciar a un videojuego que ayuda a nuestro hijo disléxico?
¿Va la industria informática a renunciar a la utilización de circuitos informáticos creados a partir de una molécula de átomos de carbono, mucho más pequeños que los semiconductores de silicio o a crear nuevos estándares que aceleren el intercambio de datos entre microprocesadores?
¿Renunciaremos a la domótica que ya está ahí y que va a permitir la integración de diversos elementos de la vivienda susceptibles de ser controlados a distancia o automáticamente, y que va a suponer aumentar nuestro confort, más seguridad a las instalaciones domésticas y más ahorro energético?
Nadie que tenga que escribir y que conozca el tratamiento informático de textos, con las ventajas que ello supone, estaría dispuesto a renunciar a esta técnica.
Podríamos seguir planteando y contestando a innumerables preguntas relacionadas con los contenidos de la nueva era, pero al final concluiríamos que entrañan muchísimos avances irrenunciables.
Todo lo anterior no quiere decir que la globalización no suscite el planteamiento de preguntas inquietantes, de difícil respuesta o no conlleve problemas de todo tipo, como pueden ser aquellos relacionados con la invasión del mercado en lo público, el tema ecológico, la pérdida de la intimidad (del anonimato), la volatilidad de los mercados financieros, el empleo, la libertad o los derechos en el espacio cibernético, la manipulación de la información, la dificultad del control fiscal de las grandes empresas y grupos , con el control de mafias globales, con el terrorismo de cualquier tipo (nuclear, biológico, químico, cibernético o genómico) y en especial el tráfico criminal global, con el trafico de material nuclear, el tráfico de armas etc. La globalización de ninguna manera es totalmente benigna.
Naturalmente que el replanteamiento y la construcción de entidades supranacionales para controlar los problemas aludidos se constituirá en el centro de la política internacional en los próximos años.
La creatividad de la economía mundial debe ponerse al servicio de las necesidades humanas, debe sintonizar con la sociedad a la que debe servir. Solo en un marco de regulación global se podrá garantizar los derechos fundamentales de los seres humanos.
La enorme vastedad de los cambios que se anuncian hace imposible que dentro de los límites de esta serie pueda profundizar en todos ellos; por ello me limitaré a realizar unas reflexiones sobre aquellas consecuencias de la globalización que pudieran ser más importantes.
En los próximos artículos analizaré varias consecuencias que me parecen importantes como son: la aceleración del tiempo, la agonía de la distancia y la nueva importancia de la geografía, la desaparición de los intermediarios inútiles, la desaparición de sistema piramidal de transmisión de inteligencia en las organizaciones, la importancia del factor conocimiento, una nueva forma de hacer economía, soberanismo y globalización, diversidad y homogeneidad en la globalización, consecuencias sobre la educación....


Según el libro ?DIEZ HORAS CON LA GLOBALIZACION?
Autor :Oscar Sánchez Fernández de la Vega
Editorial NETBIBLO (www.netbiblo.com)
Más información: WWW.AMAZON.COM
WWW.GOOGLE.COM
WWW.YAHOO.COM

¡POR UNA GLOBALIZACIÓN QUE SITÚE EN SU CENTRO EL DESARROLLO HUMANO INDIVIDUAL!




- E-Mail: ofdelavega@edu.xunta.es


A Conspiração do Governo Mundial / Globalizaç 
Yvytu - 22.04.2003 22:29

A Conspiração do Governo Mundial / Globalização / NESARA.



Por Isis / Hamílton / Armindo Augusto de Abreu / Jesus.
VIERNES, 11 DE ABRIL DEL 2003. 8:29 pm ,
Esta pasada noche pude confirmar que Bush Junior y el
Vicepresidente Cheney están ya bajo arresto domiciliario. La red
telefónica de información ha dejado claro que tanto Bush Junior como
Cheney confiaban escapar de los Estados Unidos.


A Conspiração do Governo Mundial / Globalização/Nesara

Hamílton.
Pois é, os artigos do Economista Armindo Augusto de Abreu formam uma
trilogia: "O Sombra", "Dossiê Conspiração" e "Delenda New York, a
Nova Cartago", e denunciam de forma ímpar e metodológica o projeto
globalizante que visa a extinção das soberanias nacionais com a
única finalidade de enquadrar todas as economias no processo de
submissão ao capitalismo financeiro.

Temos sim a grande missão de fazermos valer os nossos neurônios,
lendo os artigos em  http://www.armindoabreu.ecn.br
debatendo os fatos e divulgando-os a todos aqueles preocupados com
os rumos deste país e de todo o mundo!
O que cabe a nós é a divulgação para que possamos furar a barreira
da grande mídia.
Leiam, reflitam e divulguem!

 http://www.armindoabreu.ecn.br

Isis.

Por que ainda não se fala abertamente sobre o NESARA? URGENTE!!!!

Não se trata de imaginação, nem de filme e nem de profecia. Estão aí
os "sites" que não deixam mentir.
NESARA (National Economic Security and Reformation Act). Assim se
chama a Lei aprovada no Congresso dos U.S.A, cuja apresentação
mediante o procedimento Constitucional "Secreto", se deu no mês de
março de 2000, sendo votada pelo Congresso Americano em 09 de
setembro de 2001, e novamente apresentada ao Congresso no mês de
novembro de 2001, e comumente referenciada como NESARA.

Já sabemos que aos membros do Congresso, aos meios de comunicação e
outras pessoas que estão ocupando cargos políticos e administrativos
de alto nível se lhes foi proibido falar do conteúdo de NESARA até
uma "Promulgação Oficial". Sabemos que esta "Promulgação Oficial"
está sendo atrasada mais uma vez e que tal fato está ocasionando um
dano e uma coação sobre a economia, a política e às questões que
afetam a sociedade internacional, tudo isso devido à importância e à
transcendência de NESARA. Esta Lei proverá os seguintes benefícios:

1. Abolição do Serviço de Impostos Internos e impostos que arrecada;
2. O estabelecimento de um Sistema Bancário do Tesouro dos U.S.A.,
com uma nova moeda avaliada por metais preciosos, e a absorção do
Sistema da Reserva Federal no Departamento do Tesouro dos U.S.A.;
3. Restauração da Ordem Legal Constitucional;
4. Condenação das dívidas de cartões de crédito e ajuda para que os
cidadãos dos U.S.A. possam fazer frente às amortizções de créditos
bancários e outras dívidas;
5. Diminuição e substituição do Governo atual e convocação de novas
eleições para que se crie uma situação nova na qual possam assentar
as bases do futuro dos U.S.A.;
6. Nova oções para que os cidadãos dos U.S.A. possam prosperar;
7. Expansão de todos estes benefícios a todos os demais paises do
mundo;
8. E, muitos mais benefícios diretos e indiretos.

Está sendo pedido a todos os cidadãos do mundo que peçam a
promulgação imediata e que seja posta em funcionamento a Lei NESARA.

Qualquer pessoa medianamente informada já deve saber que existe o
chamado "Govêrno Oculto" no nosso planeta e muitos até hoje devem
estar se perguntando quem faz parte deste "Govêrno Oculto".
Qualquer pessoa medianamente informada também já deve ter ouvido
falar nos "Illuminati" e que de esotérico só tem a mágica que eles
fazem para os bolsos deles mesmos. Assim sendo, anexei algumas
informações que me chegam sobre o assunto e, para quaisquer
profundamento e/ou pesquisa sobre o assunto, sugiro os "sites"
abaixo:
www.nesara.us
www.fourwinds10.com
 http://www.principalityofcamside.cc/Government/USA/NESARA/NesaraMain.
htm
 http://www.white-knghts911.com/
 http://v_100.tripod.com/ (este "site" está em alemão)
 http://home.wanadoo.nl/schouwerwou/dove/start.htm
 http://atl2.netfirms.com/with/nesara.htm

Algumas informações "off-records" me teem chegado e, sinceramente,
não sei até que ponto procedem. Entre elas, citarei algumas:
*Uma vez que NESARA seja posta em marcha, um efeito dominó em escala
global sucederá de forma que ponha fim à prática totalidade das
dívidas pessoais e cancelará a maior parte da dívida internacional.
Permitirá ao sistema financeiro honesto, converter-se na norma de
atuação neste campo e derramará em suas economias uma infusão
massiva de centenas de trilhões de dólares, euros e libras.

A economia que resulte de tudo isto será tratada de tal maneira que
impeça a hiper inflação mediante o uso do padrão ouro-moeda (o que
quer dizer que cada bilhete ou moeda deverá estar avaliada por uma
rqueza em metais nobres ou valore reais, em vez do oportunismo
político ou agressivo que rege o "dolarismo ianque" - o parêntese é
uma nota do tradutor). As instituições bancárias serão controladas e
administradas com transparência, e novos e mais responsáveis equipes
de direção se encarregarão das multinacionais. Governos renovados,
criados com o despertar gerado por NESARA, irão estimular o
surgimento de inumeráveis tecnologias sequestradas do domínio e
conhecimento públicos durante muitìssimo tempo;
*Há uma semana atrás o amigo de um dos nossos correspondentes nos
U.SA., perguntou num programa de rádio a um professor de economia
que estava sendo entrevistado, se sabia de NESARA. O professor
disse que estava proibido legalmente de falar de NESARA, exceto para
dizer que de repente, num dia concreto, deixaríamos de empregar as
células de dólares emitidos pela Reserva Federal e passaríamos a
usar as novas células de dólares emitidas pelo Tesouro dos U.S.A.;
*Quando NESARA for promulgada e chegar às televisões, a primeira
pessoa que oficialmente aparecerá será alguém que está versado nos
mais altos aspectos legais dos U.S.A.. Em seguida escutaremos do
maior técnico legal dos "Cavaleiros Brancos" (assim são chamados os
funcionários do govêrno que lutam pelo NESARA, entre eles muitos da
Marinha e das Fôrças Armadas dos U.S.A. que têm trabalhado duro e
arriscado suas vidas em centenas de missões para que o NESARA
seguisse adiante durante anos) que anunciará que os Estados Unidos
da América do Norte estão debaixo de uma ordem Constitucional Legal.
Falará sucintamente sobre a verdade da lei NESARA e explicará os
motivos porque Bush Junior e Cheney devem se demitir.

Em continuação, veremos um vídeo gravado prèviamente da renúncia de
Bush Junior e Cheney. Depois disto haverá uma explicação de quem
está capacitado legalmente segundo a Constituição, para segurar as
rédeas do país até as novas eleições que se darão nos 120 dias
seguintes da promulgação de NESARA;
*As ações mencionadas sibre a promulgação e execução da lei NESARA
durarão uns 15 minutos.

Dentro das doze hora que seguirão veremos umas três ou quatro horas
de apresentação e divulgação em que umas
20 pessoas discutirão e contarão sua experiência pessoal e
profissional na história da gestação de NESARA, como NESARA foi
apresentada e quando, e todos os benefícios que supõe NESARA em
detalhe.

*Dizem que o mais alto técnico legal dos "Cavaleiros Brancos"
convidou os Meios de Comunicação na semana passada, e disse aos seus
executivos que Bush Junior será removido prontamente da Sala Oval da
Casa Branca. Lhes explicou ainda que tal coisa poderia suceder a
qualquer momento a partir das próximas 24 horas e no máximo em duas
semanas; explicou que não dava para precisar quando sucederia
exatamente, porém que é absolutamente certo que a destituição de
Bush Junior sucederá dentro de duas semanas depois de 02 de abril de
2003.

*No momento que recebi estas últimas informações chegou a informação
de que Bush Junior e o Vice-Presidente Cheney estavam em arresto
domiciliar e estarão em situação legal até que NESARA seja
promulgada.

A rede telefônica de informação deixou claro que
tanto Bush Junior quanto Cheney tencionavam escapar dos U.S.A..
Aparentemente Bush Jr. e Cheney desejavam escapar do país antes que
NESARA fôsse promulgada. Ambos estavam planejando deixar o país ao
mesmo tempo com alguma desculpa, mas não puderam por ser ilegal
presidente e vice-presidente estarem fora do país simultâneamente e,
ainda que, havia uma hora que o Tribunal Internacional de Haya
estava ultimando os detalhes que deverão tramitar; NESARA poderá ser
promulgada depois que o Tribunal Internacional haja efetuado tais
trâmites
*Na tarde passada (mencionando 10 de abril de 2003), Rumsfeld
convocou uma "grande reunião" e hoje (tratava-se de 11 e abril de
2003) a maior parte do gabinete Bush e uns poucos "Cavaleiros
Brancos" iriam se reunir. A equipe de Bush desejava atrasar uma vez
mais a "Promulgação" de NESARA.

Observação minha pessoal: fico pensando nos inúmeros "e-mails"
recebidos, muitos dos quais repassei para as pessoas da minha caixa
de correio, sobre artigos que sairam nos jornais americanos escritos
por pessoas que diziam que o 11 de setembro de 2001 foi provocado
por próprios integrantes do govêrno dos U.S.A. para desviar de um
assunto interno mais sério que poderia vir a desequilibrar o govêrno
americano.
Será?!!!...
De qualquer forma, que se tenha,
Muita PAZ nos nossos CORAÇÕES e nas nossas
MENTES "In Lake ch"
Isis

URL::  http://www.armindoabreu.ecn.br

Isis
Por que ainda não se fala abertamente sobre o NESARA?
20/04/2003 23:15


VIERNES, 11 DE ABRIL DEL 2003. 8:29 pm ,

Esta pasada noche pude confirmar que Bush Junior y el
Vicepresidente Cheney están ya bajo arresto domiciliario. La red
telefónica de información ha dejado claro que tanto Bush Junior como
Cheney confiaban escapar de los Estados Unidos.

Aparentemente, Bush Junior y Cheney deseaban escapar del país antes
que NESARA fuera promulgada. Mis fuentes de información dicen que
ambos estaban
planeando dejar el país al mismo tiempo. Tal cosa es ilegal. El
Presidente y el Vicepresidente no pueden estar fuera del país al
mismo tiempo. Además fueron arrestados en el domicilio y estarán en
esta situación legal hasta que NESARA sea Promulgada.

También mencioné que la pasada tarde Rumsfeld había
convocado una 'gran reunión'. Quiero entender que en el día de hoy
(viernes 11 de abril) la mayor parte del gabinete Bush y unos pocos
Caballeros Blancos se iban a reunir.

El equipo de Bush desea retrasar una vez más la Promulgación de
NESARA. Tengo rumores que señalan diversas impresiones sobre el
resultado de este encuentro.
Hice unas llamadas para confirmar este estado de cosas a una persona
que había sido un Caballero Blanco en el pasado pero que
recientemente había sido separado del núcleo del grupo de decisión
de los Caballeros Blancos.

Mis fuentes indican que este Caballero Blanco estaba en la reunión
citada y que seguía manteniendo el punto de vista de retrasar la
Promulgación de NESARA. Además, otros Caballeros Blancos presentes
en el encuentro que sí pertenecen al núcleo central de
decisión no estaban a favor de retrasar dicha promulgación.

Alguno abandonó el encuentro insinuando que algún tipo de retraso se
había consensuado. Tengo que añadir que esta insinuación es
incorrecta y que esta información viene motivada por el hecho que el
Caballero
Blanco citado ya no tiene poder alguno dentro del grupo central de
toma de decisiones de los Caballeros Blancos. He hablado, además,
con verdaderos Caballeros Blancos que declinaron estar presentes en
la reunión de hoy, lo cual es indicativo de que los Caballeros
Blancos de verdad estaban allí para oír lo que el gabinete Bush
tenía que decir, y no para decir 'sí' o 'no' a lo que allí le
dijeran.

Debajo de este repaso de actualidad hay un somera
exposición de la agenda obscura de la familia Rockefeller y cómo han
estado re-escribiendo la historia(mediante la compra de la
Enciclopedia Britannica, editores de libros, y compañías dedicadas a
la comunicación para que publique la historia revisada).

Los Rockefellers también tomaron el control de la American Medical
Association como parte de su control sobre la medicina y
promocionaron mediante este control el uso de las drogas que sus
corporaciones fabrican.

Déjenme recordarles que la Familia Rockefeller tiene un 'asiento' en
el Consejo Supremo Mundial de los
Illuminati y su agenda obscura. Si ustedes leen esta información con
cuidado van a ver como la agenda obscura de estas familias tienen ya
el control de todo el país y su población.

Tal como señalaba en el mensaje del 29 de Marzo de 2003 gracias a
una información de una tal "Svali" que era una desertora de los
Illuminati y que ahora les
vuelvo a anotar :

"El consejo nacional está formado por banqueros
influyentes con tradición multimillonaria familiar como: Los
Rockefellers, la familia Mellon, la familia Carneige, la familia
Rothschild, etc... Sé que no debo dar nombres, pero puedo hacerlo.

El consejo supremo mundial está formado por un prototipo del que va
a gobernar cuando el Nuevo Orden Mundial que pretenden establecer se
instale. Allí se tratan regularmente las discusiones financieras,
dirección, política, et... y los problemas que surgen
sobre el terreno.

De nuevo, estos líderes son los dirigentes del
mundo financiero mundial, tradición familiar de banqueros. La
familia Rothschild de Inglaterra y de Francia ocupan asientos en
este consejo.
Un descendente de la dinastía Habsburgo tiene un
asiento generacional. Un descendiente de las familias reales
Francesa e Inglesa tiene un asiento generacional allí. El asiento
USA lo tiene la familia Rockefeller.

Esta es una razón por la cual los Illuminati han
sido 'intocables' durante años. Sus miembros dirigentes son muy,
muy, muy ricos y poderosos. Espero que esta información sea de
ayuda. ¿Qué cómo llegué yo a saber todo esto? Era un lider de un
consejo local (la jefa de entrenamiento), pero hablaba de todo esto
con los del consejo regional. También cada niño Illuminati es
instruído de tal manera que siempre sabe quienes son sus jefes, y
hacían un protocolo de juramento de fidelidad hacia ellos y
al 'Nuevo Orden Mundial' que viene."

También he adjuntado dos confirmaciones adicionales y
una de ellas procede de un oficial de la Marina que cita
expresamente a NESARA. A menudo he hablado de estos Caballeros
Blancos de la Marina y otros operativos especiales de las Fuerzas
Armadas USA que han trabajado duro y arriesgado sus vidas en
centenares de misiones para que NESARA saliera adelante durante
años.

Pienso que algún día surgirá una gran película que trate este asunto
y cuente historias suculentas de quienes han arriesgado sus vidas
tantas veces y trabajado durante varios años muy duramente
para traernos NESARA.

!NESARA SI! ¡NESARA Ahora! ¡PAZ Ahora!

=======================================================

Nota del traductor: Aquí finaliza la traducción que yo he
considerado significativa por el momento que estamos viviendo.

A lo largo de este sábado(12-04-2003) he intentado
acceder al servidor de www.fourwinds10.com
y www.nesara.us y
parecían estar completamente sobrecargados. Así que aquí tenéis
otros links para que podáis estar al tanto de las noticias de NESARA
en Inglés.

.  http://www.principalityofcamside.cc/Governmen
t/USA/NESARA/NesaraMain.htm

 http://www.white-knights911.com/

 http://v_100.tripod.com/ esta site está en alemán.

 http://home.wanadoo.nl/schouwerwou/dove/start.htm

 http://atl2.netfirms.com/wlth/nesara.htm

Por que ainda não se fala abertamente sobre o NESARA

Jesus
Quem avisa, amigo é. Cuidado com o RISCO EUA.
20/04/2003 23:27


E a fragilidade desses gigantescos conglomerados

Por essas e outras, meu caro amigo (a), é que desaconselho
definitivamente qualquer investimento em companhias americanas ou em
seu mercado financeiro. Fico imaginando quantos milhões de
investidores no mundo inteiro, sobretudo os de classe média, que
aplicaram todas as suas economias nesse mercado dominado pelos
espertalhões de Wall Street, infartaram ou morreram fulminados pelo
choque de ver seu dinheirinho escoar pelo ralo da irresponsabilidade
dos donos do dinheiro do mundo! Portanto, se você tem "algum"
guardado, por favor, não se arrisque comprando papéis de empresas
americanas nesses fundos de ações administrados pelas Merril Lynch
da vida. Fica a impressão de que tudo na terra de Tio Sam é virtual
e seu dinheiro pode virar pó da noite pro dia.

Quem avisa, amigo é. Cuidado com o RISCO EUA.



Em Londres, o euro atingiu a cotação mais alta em relação ao dólar
desde o começo da guerra contra o Iraque por causa dos rumores de
que um pacote suspeito havia sido achado em uma ponte de Nova York.
A moeda norte-americana caiu a 1,0744 unidade por euro, uma queda de
0,5 por cento no dia, o nível mais baixo na semana.

A brincadeira disparou uma forte reação por parte da polícia, do
Corpo de Bombeiros e de outras unidades de emergência de Nova York,
entre elas, equipes de inspeção, esquadrões antibomba, pessoal da
aviação,
de porto e mergulhadores. O trânsito ficou bloqueado na área.
Olha o lobo !!!!!!!
Olha o lobo !!!!!!!

NESARA pode ser uma boa
Márcio 20/04/2003 23:54


Cara...isso tudo pode ser um novo começo de civilização!
Tomara que seja tudo verdade!
Vamos demitir os WAR Bushes,Cheneys,Rumsfelds da vida,
esses bandidos que regem nossas vidas neste planeta maluco!! Entendi
mais ou menos
leo 21/04/2003 00:16


Eu entendi mais ou menos do que se trata, so que os sites estao em
ingles e nao compreendo a fundo ingles, sera que alguem pode dar
mais explicacoes?
Os artigos en português
 http://www.armindoabreu.ecn.br 21/04/2003 00:56

Jesus
Para VCs entenderen o porque da troga da Moeda Dolar. ( Nesara )
Deixaríamos de empregar as células de dólares emitidos pela Reserva
Federal e passaríamos a usar as novas células de dólares emitidas
pelo Tesouro dos U.S.A.;

Jesus
Atenção:
Os artigos estão no formato "PDF" e para visualizá-los é necessário
ter o programa "ACROBAT READER" instalado no seu computador.

En português.

 http://www.armindoabreu.ecn.br/ARTIGOS.htm
-----------------------------------------------------------------
Jesus


Israel /INGLATERRA / U.S.A
21/04/2003 01:22


Para entender um pouco melhor a trilogia de como todos fomos sempre
enganados.
Israel /INGLATERRA / U.S.A

 http://brasil.indymedia.org/pt/blue/2003/04/253045.shtml

Guerra total un imperativo urgente para os falcões, digo Urubush.
La "teoría de los bolos" en Medio Oriente Fuentes políticas del
gobierno Sirio hablan, por su parte, de una conspiración del lobby
judio norteamericano y la derecha israelí en el Pentágono orientada
a crear un efecto dominó de la caída de Irak sobre el resto de las
naciones árabes del Medio Oriente.



Aviso ao povo norte-americano e ao resto do mundo
20/04/2003 23:44


Estados Unidos de Israel?
E A Historia Continua.

Maariv (jornal diário de Israel)
02. 09. 1994:

Os Judeus que Administram a Corte de Clinton

Por Avinoam Bar-Yosef


Algumas semanas atrás o rabino da sinagoga "Adath Israel" em
Cleveland Park, Washington, dedicou seu sermão do Sabbath ao centro
político e cultural judaico que está sendo formado na América:

"Pela primeira vez na história dos Estados Unidos", disse o
rabino, "nós não sentimos mais que vivemos na diáspora. Os EUA não
tem mais um governo de Goyim (gentios), mas uma administração na
qual os judeus são parceiros com os mesmos direitos na tomada de
decisões em todos os níveis. Talvez os aspectos da lei religiosa
judaica conectados com o termo "governo dos gentios"deva ser re-
examinado, já que este é um termo ultrapassado nos EUA".

De fato, até onde os judeus estão preocupados, o presidente Bill
Clinton contribuiu em direção a uma real mudança na cara da
Administração, tendo concluído uma série de mudanças que aumentaram
o poder judaico começando durante a presidência de Reagan e seu
Secretário de Estado, Schultz. É verdade que a influência política
judaica também esteve evidente nos Estados Unidos nas décadas
passadas. Nós já vimos um Secretário de Estado judeu, Kissinger,
tendo a confiança do presidente Richard Nixon, e houve membros do
ministério que eram judeus durante a presidência de Carter.
Entretanto, eles normalmente eram as exceções justificando a regra.
Especialmente, judeus pios dificilmente eram escolhidos para
participar em trabalhos políticos envolvendo o Oriente Médio.

A coisa agora mudou completamente e não apenas quanto ao Oriente
Médio. Por exemplo, a cada manhã às 6 horas, vários carros de
pessoal vão do centro da CIA à Casa Branca com oficiais graduados da
comunidade da inteligência americana, que estão prester a apresentar
ao presidente e aos quatro mais importantes do corpo administrativo
o PDB - President's Daily Briefing [Informações do Dia para o
Presidente]- o termo para o relatório mais exclusivo em Washington.

O documento, que consiste de 5-7 páginas, é freqüentemente
acompanhado por fotografias ultra-secretas enviadas pelo Pentágono.
É feito durante a noite pelor melhores especialistas da Inteligência
norte-americana, que analisam os telegramas e relatórios chegando da
rede mundial de agentes da CIA. Contém as informações mais sensíveis
em relação a acontecimento ao redor do mundo. O que o torna único,
em comparação com outros documentos da inteligência americana, é o
fato de que sempre cita a fonte da informação, se a fonte é
exploração por satélite. Se Clinton está em Washington, ele mantém
uma pequena discussão quanto ao conteúdo do documento com cinco
outros personagens: o Vice-Presidente Al Gore, o Conselheiro da
Segurança Nacional [National Security Adviser] ("Sandy") Berger, e o
Conselheiro da Segurança Nacional do Vice-Presidente, Leon Perth.

Dois deles, Berger e Perth, são judeus. Eles alcançaram posições
extremamente sensíveis quanto às políticas norte-americanas. E eles
não são de maneira nenhuma exceções.

No Conselho de Segurança Nacional, 7 dos 11 funcionários mais
importantes são judeus. Clinton os designou para os pontos mais
sensíveis das administrações americanas da segurança e do
estrangeiro: Sandy Berger é o diretor-presidente do conselho; Martin
Indyk, o futuro embaixador a Israel, é o diretor superior
responsável pela Europa Ocidental; Don Steinberg, diretor sênior e
conselheiro do presidente, é o responsável pela África; Richard
Feinberg, diretor sênior e conselheiro do presidente, responsável
pela América Latina; Stanley Ross, diretor sênior e conselheiro do
presidente, responsável pela Ásia.

A situação não é muito diferente no escritório do presidente, que
está repleto de judeus: o novo Promotor-Chefe [Attorney General],
Aberner Mikve (agora trocado pela judia J. Reno); o gerente dos
programas e da agenda do presidente, Ricky Seidman; diretor-chefe de
pessoal, Phil Leida; conselheiro econômico, Robert Rubin (agora
Ministro das Finanças); diretor da mídia, David Heiser; diretor de
pessoal, Alice Rubin; Ely Segall, responsável pelos voluntários; Ira
Mezina, responsável pelo programa de Saúde. Dois membros do
Gabinete, Secretário do Trabalho Robert Reich e o responsável pelos
acordos internacionais de comércio, Mickey Cantor, são judeus. Junto
a eles se encontram muitos outros funcionários judeus importantes no
Departamento de Estado, liderados pelo chefe do Grupo de Paz no
Oriente Médio, Dennis Ross, e seguidos por muitos secretários
adjuntos [deputy secretaries] e ainda mais chefes de pessoal
seniores [senior secretaries chiefs of staff].

Um dos judeus mais interessantes do ponto de vista israelense, e que
quase não apareceu até agora, é Rehm Emmanuel, conselheiro sênior de
Clinton encarregado de coordenar projetos especiais na Casa Branca.
Seu escritório se encontra ao lado do famoso Salão Oval... Ele tem
uma cara que parece mais adequada para um turista israelense do que
para um funcionário superior na administração dos Estados
Unidos. "Você sabe, Rehm Emmanuel é um nome que não pareceria
estranho na lista telefônica de Tel-Aviv", eu lhe disse. Um grande e
agradável sorriso apareceu em sua face. "Nosso nome original é
Auerbach. Nós abrimos as primeiras farmácias em Tel-Aviv e
Jerusalém..." Rehm e seus dois irmãos receberam uma educação
judaica. "Talvez a coisa mais intrigante que aconteceu comigo
pessoalmente no ano passado, desde que fui designado para
Washington, foi o encontro com a comunidade judaica organizada dos
Estados Unidos. O melhor lugar para vê-los como eles são, o lugar
para onde fui todo ano admirá-los, é a convenção anual do grupo de
pressão pró-Israel AIPAC [American Israeli Political Action
Committee]. Este é o lugar para não apenas sentir o pulso do
envolvimento americano no Oriente Médio, mas também onde senti que
de alguma maneira me ajuda a ignorar a profunda preocupação inerente
ao sentimento de solidão de viver em um Estado localizado no coração
de tantos árabes hostis. Eu sempre me perguntei qual era o valor da
experiência judaica na América do ponto de vista de Israel.

Será que a identificação com Israel deriva de uma profunda sensação
de um destino judaico comum ou foi uma das armas da comunidade local
de conseguir poder para conseguir direitos verdadeiramente iguais em
uma sociedade diversa que inclui muitos emigrantes e membros de
várias religiões? O poder judaico nos Estados Unidos é um fenômeno
que vai diminuir ou aumentar? Os casamentos mistos de judeus com
gentios estão ameaçando enfraquecer o poder judaico nos Estados
Unidos? Ou, como às vezes temo, estão os judeus americanos
construindo um novo centro cultural judaico que irá competir com
Israel?

A sinagoga "Adat Israel" em Washington não é apenas um local de
adoração. É um centro da comunidade judaica, com um famoso jardim-de-
ifnância judaico, um escola judaica com judaísmo, literatura,cultura
e, claro, aulas de hebraico. Aos sábados acontecem sempre
duas sessões de rezas separadas. A primeira é a maior, com centenas
de fiéis, que termina com a bênção à comida judaica deixada sobre
mesas. Seus membros pertencem ao créme de la créme da sociedade de
Washington: funcionários superiores da administração, advogados bem-
sucedidos, ricos homens de negócios. Todos são ricos... A taxa de
entrada na sinagoga é de 1.000 dólares po um único feriado (dia
santo). Mas a razão mais importante porque rezam é porque sentem uma
forte conexão com Israel.

A outra sinagoga competindo pela jovem geração de judeus ricos está
localizada em Georgetown. Muitos
funcionários judeus da administração rezam lá. Eles não tentam
esconder sua religião mas fazem esforço para mostrar seu
judaísmo,pois isso pode ajudar muito suas carreiras.

A enorme influência judaica em Washington não se limita ao governo.
Nos programas de televisão populares estão judeus. Não esqueçamos
neste contexto a predominância judaica nas instituições acadêmicas
de Washington. Com sua percentagem da população, a influência
judaica nos campos de segurança e ciência, na indústria
cinematográfica, na arte e na literatura, só pode ser descrita como
imensa, com um crescimento correspondente do poder judaico.

Rehm Emmanuel: "O Holocausto cria um senso de destino compartilhado
por todos os judeus. Os judeus devem agir para tornar Israel forte
para que o Holocausto não se repita." Hoje, quando se fala em 51% de
casamentos mistos, o perigo de assimilação parece ainda maior, mas
examinando o fenômeno de perto se descobre que a direção é a oposta.
Será que Israel realmente percebe que a uma distância de miulhares
de quilômetros existe um florescente centro judaico que não apenas a
admira e apóia, mas que também sente um destino compartilhado:? Não
há dúvida sobre isso, especialmente em assuntos que dizem respeito à
existência de Israel. Todos os funcionários da administração Clinton
que lidam com Israel: Ross, Kurtzer, Indik e Miller sendo apenas um
exemplo, podem ter opiniões diferentes quanto à solução desejada
para o conflito árabe-israelense, mas são judeus em tudo que fazem.

Também acreditam firmemente que os interesses em comum entre os dois
Estados (Israel e os Estados Unidos) são fundamentais e de duração
permanente. É devido a esta crença que eles deram uma grande
contribuição para o fato de que a Administração Clinton ter adotado
esta visão nas relações Estados Unidos-Israel.

Os muitos judeus na Administração Clinbton podem não ter aparecido
devido a um plano, mas seu grande númeroi não se deve apenas à
sorte. O modo de vida americano apóia os bem-sucedidos... Apesar do
poder judaico na atual Administração democrata ser tão grande,
existem também muitos judeus indo em direção a posições de liderança
no Partido Republicano.

Clinton também foi informado por seus muitos amigos judeus da
memória perturbadora do Holocausto, que ainda assombra os líderes da
comunidade judaica americana, e sobre a importância de apoio
contínuo a srael que é obrigatório para os Estados Unidos.

(Londres) - 1.11.1996, p. 5

(Londres) - 8.11.1996, p. 3
Apoiando um vencedor para ajudar a voz judaica na Casa

Por J.J. Goldberg, New York

A influência judaica em Washington provavelmente alcançará níveis
históricos após as eleições presidenciais e para o Congresso da
próxima terça-feira, dado o número recorde de senadores judaicos que
provavelmente serão eleitos para o próximo Congresso, e o quase
certo retorno de Bill Clinton à Casa Branca.

O Presidente Clinton mostrou uma receptividade extraordinária em
relação aos judeus e aos interesses judaicos. Em adição a seu forte
apoio a Israel, ele designou números sem precedentes de judeus para
altas posições, incluindo quatro em seu gabinete de 14 membros, dois
na Suprema Corte de nove membros, e até seu diretor da CIA, John
Deutch [John Deutch não é mais diretor da CIA.] No Senado, os 10
membros judeus provavelmente verão seus números subirem para 11 ou
12 após 5 de novembro.

Laços entre os EUA e Israel podem melhorar

Por Stephanie Genkin


Funcionários israelenses esta semana aplaudiram a reeleição de
Clinton como presidente americano, dizendo que esperavam que o
relacionamento próximo entre Washington e Jerusalém seja fortalecido
durante a dura busca pela paz no Oriente Médio.

Professor Doron: "Mas o presidente Clinton é um bom amigo de Israel.
Não acho que ele iria colocar muita pressão sobre Netanyahu para que
se arriscasse mais do que o necessário. Talvez ocorram algumas
mudanças de estilo, mas a substância permanece a mesma." Rabino
David Clayman: "Volte aos dias do [Secretário de Estado] Dean Rusk.
Nenhum governo israelense, apesar da dependência aos Estados Unidos
militar, economica e psicológica, jamais foi forçado por uma
Administração americana para entrar em um processo de paz."


"O Congresso Mundial Judaico adquiriu uma vasta influência política
e econômica e tem voz em todas as decisões políticas nos EUA."

A declaração acima foi feita pelo Secretário-Geral do Congresso
Mundial Judaico, Israel Singer. Singer é citado no livro "Die
Deutschlandakte" ("The Germany File", edition ferency bei Bruckmann,
Munich 1995, p. 343), escrito pelo professor israelense Michael


". . . existe um novo tipo de judeu vivo hoje que acredita que Deus
deu poder aos judeus, e que este poder precisa ser usado e
exercido... não haverá mudanças a não ser que decidamos tomar a
história em nossas mãos."



(Dr. Israel Singer, Secretário-Geral do Congresso Mundial Judaico,
The Jewish Press, 20 de fevereiro de 1998)



Os judeus representam aproximadamente 3 % da população americana mas
ocupam mais ou menos 90% de todas as posições-chave na
administração.

FONTE  http://abbc.com/islam/portugues/poder/maariv.htm

-------------------------------------------------------

OBS* Porque sera que não ouve ataque no 11 / 09 donde estava a mais
pura nata ?

Porque, Porque ? Não sei.....



Iraque, a quem interessar



Dallan:
Em outros atos paralelos, até o governo belga está
dizendo que os americanos estão se tornando MUITO, MUITO PERIGOSOS:

Lázaro:

Eles estão jogando WAR, roubando pecinhas, colocando quinhentas de
cada lado em volta de um território pequeno, e insistem em dizer que
conquistar aquilo não tem nada a ver com seu objetivo...

O que eles vão fazer, eu não sei. Mas as ameaças a Síria e ao Irã
hoje já são bem maiores do que as que faziam ao Iraque na época de
Osama.

Paulo:

Acho que o Irã e a Síria serem "tragados" pra guerra, é só questão
de tempo.
Aliás, indiretamente, parece que JÁ estão (ao menos a Síria)... E da
Síria pra Israel, é só um pulinho (pra quem não sabe, Síria e Israel
estão até hoje em estado de guerra declarada!). E de Israel para,
bom, deixa pra lá, pq se Israel entrar, vai ser difícil segurar os
outros árabes... Aí pode vir o Paquistão,com a suas "nukes"... E,
entrando Paquistão, corre-se o risco de entrar, na sequência, Índia,
Europa, China e Russia.

Lázaro:

Eu me lembro que no WTC, Bush fez de tudo para tentar associar o
Iraque ao atentado. Aliás, este atentado deu resultados comerciais e
polóticos tão "bons" e nefastos ao imperialismo dos EUA que hoje já
não acho tão absurda assim aquela versão de eles próprios poderiam o
ter incentivado. Na época, afirmaram que não morreram diretores e
empresãrios no WTC, que por algum motivo "estranho", a judeuz de
alto escalão NÃO FOI trabalhar naquela manhã, e que as marcas no
pentágono seriam de qualquer coisa menos de um avião...

Paulo:

A melhor comparação é com o incêndio do Reichstag (é assim q se
escreve?) que deu a Hitler a desculpa para ter controle sobre os
militares... O que questionam é como um bêbado holandês botou fogo,
em vários pontos, sozinho, e ainda por cima não havia guarnição no
local? Nem um sentinelazinha?

O mesmo aconteceu no WTC e em Washington. Parece que naquela data
tinham SÓ 4 caças americanos de plantão. Numa Speak Up recente, eles
comentam justamente isso, nessa linha... Não que teria sido
orquestrado por eles... Mas que eles teriam deixado correr, pra
justificar tudo isso que vem acontecendo desde o Afeganistão...
Outros já defendem que teria sido "auto-ataque"...

Lázaro:

O Levi disse que o Bush é o anti-cristo. Eu concordo. Eu não acho
que isso seja o "fim" do mundo, creio ser um teste, para mostrarmos
qual a nossa nova sintonia. Um teste para mostrarmos de podemos ou
não fazer uma nova jerusalem, ou se deixaremos a besta governar.

Das torres à babilônia americana, da época prevista ao local, as
peças do xadrez de Bush posicionam-se contra o rei inimigo... Ele
pode até não dar xeque, mas, dizendo agir em nome da paz, usou seu
dinheiro e poder para fazer os outros entregarem todas as peças de
defesa, ao mesmo tempo que fortalecia as suas.

O desrespeiro ao vaticano, o uso do urânio, suas armas nucleares que
soam como absinto, a tempestade de areia no deserto ou os invernos
nucleares que poderiam parecer a um profeta como o sol vermelho,
tampado... Seus soldados numerados, identificados por GPS, com
óculos, viewfinders e aparatos eletrônicos na testa...

O lugar não deixa dúvidas. O poder de devastação, também não.
Como estava no apocalipse, as bombas e guerras do japão e alemanha
ainda não eram "o" cara, que brigaria para tentar tomar a região da
terra sagrada.

Tou com o Levi. Nunca, ao longo da história, alguém esteve tão perto
das descrições, datas e locais do tal "anti-cristo". E nem mesmo
Hitler tinha o poder de destruição e ameaça de Bush.


Paulo:

Infelizmente, eu tenho a mesma impressão. Espero estar errado.

E aí, bom, aí pra quem não tem espiritualidade, é provavelmente o
fim. Pra quem acredita em algo maior, é só uma fase, talvez, de
certo modo, necessária (ante a condição média humana). Como dizem os
espíritas, Deus não deixa que nada aconteça sem uma razão... Fé,
muita fé, acreditar em algo maior, vai ser MUITO importante.

Lázaro:

Se este cara não é "O" anti-cristo, não me apresentem seu patrão.
POrque são do mesmo time, não tenha dúvida.

Paulo:

Anti-cristo ou não, as IGREJAS CATÓLICAS (todas elas) não estão
dando mole,não. Pelo que li, Bush, Blair, Rumsfeld e Straw já foram
proibidos
de entrar na Igreja da Natividade (suposto local onde nasceu
Cristo)!






Panfleto"Os protocolos"
 http://abbc.com/islam/portugues/poder/maariv. 21/04/2003 00:39


Estados Unidos de Israel?

Infelizmente, os judeus conhecem muito pouco sobre os
Protocolos, `Quem vai acreditar nesta bobagem? Quem vai acreditar
que um grupo de judeus se reuniu e elaborou um plano para dominar o
mundo?' Mas as pessoas realmente acreditam nisso e continuam
espalhando esta história", afirma Ben-Itto.
Na década de 30, houve tentativas por parte dos judeus, para
desacreditar o panfleto em tribunais, entre as quais uma ocorrida em
Berna, Suíça, que considerou o texto literatura indecente e plágio
de um outro documento, além de ter multado os responsáveis por sua
publicação. A outra ação ocorreu em Port Elizabeth, África do Sul.

Ben-Itto utilizou os documentos referentes a estas ações para
escrever seu livro.


Ao longo dos anos, várias outras ações foram apresentadas aos
tribunais e diferentes fóruns. Uma subcomissão do Senado americano,
por exemplo, declarou que os Protocolos são uma farsa.

Fatos:

A verdade sobre a "retratação"de Ford.
O sionismo, através da imprensa, sempre indica que o livro O Judeu
Internacional, de Henry Ford, seria uma obra praticamente apócrifa,
pois Ford, considerado o maior industrial do século, teria
desmentido tudo o que publicara (o livro continua sendo vendido nos
EUA e em todo o mundo). Com isso, eles tem a intenção de mostrar que
ele, de forma voluntária, teria se arrependido de tudo o que
afirmara nesta sensacional obra.

Da página 5 desse livro, extraímos a seguinte informação:

Após a publicação do livro, os judeus ficaram profundamente
indignados, porque o adversário era sério. E encetaram contra ele
uma violenta campanha que durou vários anos e só terminou em 1927 (a
obra foi escrita em 1920). Angustiado por graves embaraços
financeiros, processado pelos judeus perante os tribunais norte-
americanos, vítima de um acidente automobilístico que se diz muito
misterioso, Ford escreveu às organizações judaicas uma carta em que
desmentia tudo o quanto publicara em relação aos judeus. Estes,
depois de o deixarem algum tempo na incerteza, aceitaram a
retratação.

Em novembro de 1990, após a polícia ter invadido a Editora Revisão e
retirado mais de 8.000 obras do estoque, e que por ordem judicial
foram restituídas 48 horas depois, a TV Bandeirantes de Porto
Alegre, no programa Canal Livre, analisou com vários participantes o
nada democrático ato de apreender obras que não agradam a uma
determinada facção. Se esta moda pegasse, as livrarias ficariam
vazias. No momento em que analisaram também a apreensão de "O Judeu
Internacional", o representante sionista imediatamente citou que se
tratava de uma obra que o próprio Henry Ford tinha rejeitado...
Outro participante alegou que Ford fora pressionado pelo poder
judaico para assim proceder, ao que o sionista retrucou, com nervosa
risada, simulando modéstia: Quem somos nós para forçar um Henry
Ford? Isso é brincadeira...



É lógico que algo muito grave havia acontecido, motivando a
retratação.

Vejamos alguns dados a respeito da produção de automóveis dos EUA:
Até 1920 Ford era líder absoluto da produção de veículos. Depois da
edição de sua obra O Judeu Internacional, sua participação no
mercado começou a declinar, ao ponto de representar, em 1926, apenas
35,6% da produção total dos EUA, equivalendo a 1.530.800 veículos.

Em 1927, ano da nota do "desmentido", as fábricas deviam estar às
portas da falência, pois somente tinham conseguido vender 520.200
veículos, ou seja, apenas 15,3% da produção americana.

Em 1928, ano em que os sionistas ainda o haviam deixado "na
incerteza", a venda de unidades havia aumentado um pouco, pois
conseguira vender 675.800 veículos, mesmo assim representando apenas
15,5% do total.

Em 1929, vendendo 1.822.400 veículos, passou a participar com 33,9%
do total. Em 1930, voltou novamente para a liderança, com 40,3% da
produção dos EUA. O grande beneficiado com a pressão contra Henry
Ford foi a General Motors que, em 1927 e 1928, passou a vender 42,5%
e 41,3%, respectivamente, da produção total.

Nossa grande surpresa, um verdadeiro choque, recebemos quando
descobrimos a quem pertencia a General Motors Corp.: Grupo Judaico
Morgan que, em 1929, figurava na administração de nada menos que
2.450 SOCIEDADES, CUJO CAPITAL MONTAVA A 74 BILHÕES DE DÓLARES,
APROXIMADAMENTE UM TERÇO DE TODO O CAPITAL EXISTENTE NOS EUA!!!

No livro "Trustes e Cartéis", editado pela Livraria do Globo em
1945, é mostrada a posição do Grupo Morgan em 1938 junto a algumas
organizações (imaginem como deve ter aumentado seu patrimônio nos
últimos 50 anos, principalmente após uma vitoriosa guerra):

A firma matriz chama-se J. P. Morgan & Co. Incorporated N.Y.

Bancos Particulares: Morgan, Stanley & Co., Philadelphia Drexel &
Co., Philadelphia Morgan, Greenfell & Co., London Morgan & Cie.,
Paris

Grandes Bancos: Bankers Trust Co. Guaranty Trust Co. of New York New
York Trust Co. The First National Bank of New York

Firmas: GENERAL ELECTRIC CO., a nossa conhecida GE; UNITED STATES
STEEL CORP., na época a maior usina siderúrgica do mundo; E.I. DU
PONT de Nemours, produtos químicos; GENERAL MOTORS CORP., nossa
conhecida Chevrolet; CONTINENTAL OIL CO., setor de
petróleo;INTERNATIONAL HARVESTER CO., caminhões e equipamentos
agrícolas; TEXAS GULF SULFUR CO., setor de enxofre; KENNECOTT COPPER
CO., líder no setor de cobre; AMERICAN CAN CO., fabricação de latas;
STANDARD BRANDS INC., produtos alimentícios; MONTGOMERY WARD & CO.,
uma das maiores magazines do mundo; ASSOCIATED DRY GOODS, idem;
BALDWIN
LOCOMOTIVE & PULLMAN INC., equipamentos ferroviários; INTERNATIONAL
MERCANTIL MARINE, setor de navegação; UNITED CORP., setor de
eletricidade; NEW YORK CENTRAL, estrada de ferro; ATCHINSON, TOPEKA
& SANTA FE, estrada de ferro; CHESAPEAKE & OHIO, estrada de ferro;
NORTHERN PACIFIC, estrada de ferro; UNITED GAS IMPROVEMENT,
produtora de gás; WESTERN UNION TELEGRAPH CO., telégrafo; ELECTRIC
BOND & SHARE CORP., Cia. de eletricidade e bondes; AMERICAN &
FOREIGN POWER CO., Cia. de eletricidade e bondes, cuja filial em
Porto Alegre foi nacionalizada pelo então governador Leonel Brizola;
INTERNATIONAL TELEGRAPH & TELEPHONE CORP. a I.T.T., cuja filial de
telefones no Rio Grande do Sul foi nacionalizada pelo governador
Brizola, que sofreu grandes pressões por esses atos*; INTERNATIONAL
NICKEL, etc., etc...

*Com referência à nacionalização da Cia. Telefônica Riograndense, o
Correio do Povo do dia 16/02/92, quando decorriam 30 anos do ato,
publicou a seguinte notícia, sobre o título Ousadia de Brizola
Modificou a História: "Trinta anos depois, Leonel Brizola, atual
governador do Rio de Janeiro, admite que nem tinha consciência de
com quem estava lidando. `Eu estava pisando no rabo de um bicho QUE
ESTENDE SUAS UNHAS PELO MUNDO INTEIRO,

Que é a I.T.T. Esta mesma companhia promoveu a derrubada do
presidente Allende do Chile". É
bem provável que ainda hoje 99,99% do nosso povo não sabe que a
I.T.T. a que se referiu o governador é apenas UM dos milhares de
tentáculos de apenas UM dos milhares de polvos espalhados pelo
mundo.

Na realidade, são os conquistadores do mundo em ação, que como
pseudo-vítimas, apresentam diariamente Hitler como um demônio, há
mais de 50 anos, e, ainda agora, para manter a farsa, tentam
ressuscitar pseudo-assassinos como Mengele, Eichmann, Bormann, etc.
É o desespero pela revelação da Mentira do Século. É uma enrascada
comparável a de um ladrão de galinhas que é flagrado com as penosas
num saco, dentro do próprio galinheiro, tentando dar explicações...
Após conhecermos um pouco de apenas um dos concorrentes de Ford,
acho que não fica difícil entender seu recuo, emitindo uma nota
feita exclusivamente para salvar sua indústria.

O mais impressionante deste texto é, sem dúvida, a constatação da
ramificação de apenas um dos grupos existentes no mundo, fato que
nos leva a acreditar que no momento em que conseguíssemos formar uma
lista completa de organizações e firmas em mãos associadas ou
ligadas ao sionismo, teríamos um choque ao vermos que poucos setores
importantes da vida humana ainda não estão sob seu domínio.

Enquanto se apresentam diariamente como vítimas de um inexistente
genocídio; enquanto, diariamente, falam de Hitler e procuram
repetitivamente os mesmos pseudo-assassinos, pedindo abertura de já
conhecidos arquivos
sobre nacional-socialistas, numa eterna vitimização; enquanto
mostram e exploram cenas de esqueléticos mortos em epidemias, ou até
mesmo de alemães mortos em bombardeios terroristas, como se fossem
judeus mortos em câmaras de gás - distraindo, desta forma, a atenção
dos povos - o supercapitalismo judaico, no total surdina, vai
adquirindo mais empresas e bens, bem de acordo com Os Protolocos dos
Sábios de Sião.

A imprensa judaica só noticia "Holocausto", tentando esconder o fato
de que foi provado que é uma farsa, e nunca seu domínio sobre
importantes e diversos setores, para não chamar a atenção sobre seu
verdadeiro poder. Quem poderia imaginar o que está por trás de um
simples nome: John Pierpont Morgan...

Para o leitor ter uma pequena idéia da importância de algumas das
firmas do Grupo Morgan, alguns rápidos detalhes:

MONTGOMERY WARD & CO., do comércio varejista, possuíam em 1930 nada
menos que 532 filiais; INTERNATIONAL NICKEL detinha o controle de
90% da produção mundial; DU PONT foi a maior fornecedora de munição
para os aliados na guerra; KENNECOTT COPPER detinha o controle de
19% da produção mundial de cobre, em 1937; UNITED STATES STEEL
produzia, em 1930, 41% do total de aço dos EUA; WESTERN UNION, após
engolir 538 Cias. telegráficas, ficou com o controle de 80% das
redes americanas; INTERNATIONAL TELEPHONE & TELEGRAPH (ITT), entre
centenas de interesses espalhados pelo mundo, era a propritária de
2/3 de todas as Cias. telegráficas da América do Sul e possuidora de
1/4 dos cabos submarinos do mundo.

A maioria das firmas que compõem o Grupo Morgan estão espalhadas em
praticamente todo o mundo, onde cada uma possui várias firmas
associadas, enfim, um gigantesco polvo extorquindo os povos e
enchendo os bolsos do supercapitalismo judaico.

O que existe por trás de nome como Bunge & Born, Rockefeller,
Bronfman, Warburg, Kuhn, Warner, Daniel Ludwig, Dreyfuss, Safra,
Guggenheim, Oppenheimer, De Beers e outras milhares de gigantescas
organizações, é um belo trabalho para um economista curioso, o qual
poderia prestar um grande serviço ao nosso Povo, mostrando se ainda
existe algo realmente nosso.

Enquanto os sionistas, conforme plano existente nos Protocolos,
aspirarem o GOVERNO MUNDIAL.

-------------------------------

Em 1993, uma corte russa determinou que o panfleto era uma farsa
anti-semita. "No entanto, os Protocolos sempre encontram solo
fértil", afirma Ben-Itto.

Fatos:Prova Estatística do Predomínio Judaico na Rússia Vermelha

Cargos
Membros Totais
Membros Judaicos
Porcentagem Judaica

Conselhos de Comissários Populares
22
17
77%

Comissão de Guerra
43
33
77%

Comissariado de Assuntos Exteriores
16
13
81%

Comissariado da Fazenda
30
24
80%

Comissariado da Justiça
21
20
95%

Comissariado de Instrução Pública
53
42
79%

Comissariado de Socorros Sociais
6
6
100%

Comissariado do Trabalho
8
7
88%

Delegados da Cruz Vermelha
8
8
100%

Comissários de Província
23
21
91%

Jornalistas
41
41
100%



HENRY FORD SR., "The International Jew", 1920

"Nós estamos a ponto de eliminar a burguesia em sua qualidade de
classe determinada. Vocês não tem nenhuma necessidade de provar que
este ou aquele tem agido contra os interesses do poder soviético. A
primeira pergunta a ser feita em relação a um detido é sobre a
classe a que pertence, de onde vem, qual é o seu grau de instrução e
sua profissão. As respostas fornecidas deverão selar a sorte do
acusado".

M. LATSIS, um dos chefes da Tcheká, 1918
A Tcheká (depois NKVD, depois KGB) foi fundada por Djerjinski
(judeu).


"Haviam 384 comissários, incluindo 2 negros, 13 russos, 15 chineses,
22 armênios, E MAIS DE 300 JUDEUS. Do último número, 264 saíram dos
Estados Unidos e foram para a Rússia desde a queda do governo
imperial".

CAPT. MONTGOMERY SCHUYLER, telegrama de Vladivostok, 09/06/1919,
sobre a formação do governo soviético.


Pequena Lista de COMUNISTAS JUDEUS

Karl Marx (maior inspirador do comunismo).

Friedrich Engels (filósofo comunista).

V.I. Lenin (supremo ditador).

Trotsky (Leon Bronstein, comandante do exército vermelho).

Zinoviev (Grigory Apfelbaum, da polícia secreta soviética).

Solomon Lozovsky (delegado do ministério do exterior).

Litvinov (Maxim Wallach, ministro do exterior).

Yuri Andropov (diretor da KGB e mais tarde ditador da União
Soviética).

Jacob Sverdlov (primeiro presidente soviético, responsável pelo
assassinato do czar e de sua família).

Jacob Yurovsky (comandante da polícia secreta).

Lazar Moiseyevich Kaganovich (chefiou os assassinatos em massa para
Stalin (seu sogro), foi responsável pela morte de milhões de
pessoas.

Mikhail Kaganovich (comissário da indústria pesada, supervisor do
trabalho escravo e irmão de Lazar).

Rosa Kaganovich (amante de Stalin, irmã de Lazar).

Paulina Zhemchuzina (membro do comitê central e esposa do ministro
do exterior Molotov).

Olga Bronstein (oficial da polícia secreta, irmã de Trotsky e esposa
de Kamenev).

Genrikh Yagoda (chefe da polícia secreta soviética, comandante de
assassinatos em massa).

Matvei Berman e Naftaly Frenkel (fundadores dos campos Gulag).

Lev Inzhir (comissário de administração de campos de concentração).

Boris Berman (oficial executivo da polícia secreta e irmão de
Matvei).

K.V. Pauker (chefe de operações da polícia secreta).

Firin, Rappoport, Kogan, Zhuk (chefes dos campos de concentração e
trabalho escravo).

M.I. Gay, Slutsky, Shpiegelglas e Isaac Babel (comandantes da
polícia secreta).

Aleksandr Orlov (Leiba Lazarevich Feldbin, comandante do exército
vermelho, oficial da polícia secreta, chefe de segurança soviética
na Guerra Civil Espanhola).

Yona Yakir (general do exército vermelho, membro do comitê central).

Dimitri Shmidt, Yakov ("Yankel") Kreiser, Miron Vovsi, David
Dragonsky, Grigori Shtern, Mikhail Chazkelevich e Shimon Kirvoshein
(generais do exército vermelho).

Arseni Raskin (comandante do exército vermelho).

Haim Fomin (comandante de Brest-Litovsk, exército vermelho).

Sergei Eisenstein (diretor de filmes de propaganda comunista).

Julius Rosenwald (judeu americano, fundador da KOMZET).

Ilya Ehrenburg (ministro de propaganda soviética).

Solomon Mikhoels (comissário de propaganda soviética).

Mark Donsky, Leonid Lukov, Yuli Reisman, Vasily Grossman,Yevgeny
Gabrilovich, Boris Volchok e Lillian Hellman (cineastas
propagandistas soviéticos).

Yevgeny Khaldei (propagandista soviético).

Nikolai Bukharin (teórista).

Samuel Agursky, Mikhail Gruzenberg (Borodin) e A.A. Yoffe
(comissários).

Karl Radek e Lev Rosenfeld (Kamenev) (membros do comitê central).

David Ryazanov (conselheiro de Lenin).

Lev Grigorievich Levin (médico, envenenava os inimigos de Stalin).

Ivan Maisky (embaixador soviético na Inglaterra).

Itzik Solomonovich Feffer (comissário da polícia secreta).

Abraham Sutskever (guerrilheiro terrorista soviético).

Mark Osipovich Reizen (propagandista, ganhador de três prêmios de
Stalin).

Lev Leopold Trepper (oficial de espionagem).

Bela Kun (Kohen, supremo ditador da Hungria em 1919).

Matyas Rakosi (sucessor de Kun, chefe de assassinatos em massa na
Hungria).

Zakharovich Mekhlis (chefe das execuções de Stalin).

Henrykas Zimanas (líder de terroristas comunistas).

Moshe Pijade (comandante do exército comunista yiugoslavo,
presidente do parlamento comunista iugoslavo, comandou massacres de
croatas a mando de Tito).

Jacek Rozanski (torturador cabeça da polícia secreta)

Jacob Berman (comandante da polícia secreta e chefe da secretaria de
segurança da Polônia).

Minc, Specht (Olszewski) e Spychalski (comissários - Polônia).

Solomon Morel (comandante do campo de concentração comunista para
alemães na Polônia depois da Segunda Guerra).

Julius Hammer (fundador do partido comunista americano).

Armand Hammer (financiou Lenin e Stalin).

Lev Davidovich Landau (médico, pai da bomba atômica soviética).

Klaus Fuchs (ajudou na bomba atômica de Stalin).

Ruth Werner (coronel do exército vermelho GRU).

Julius e Ethel Rosenberg (roubaram bombas americanas para Stalin).

Morris Cohen (Peter Kroger, ajudou os Rosenbergs).

Markus Wolf (chefe da polícia secreta comunista alemã).

Howard Fast (propagandista comunista americano).

David Dubinsky (aliado de Stalin).

Victor Rothschild (espião britânico de Stalin).

Mark Zborowski (da KGB e do comitê judaico americano).

Rabino Hyman Katz e Milton Wolff (comandantes das "brigadas
internacionais" na Espanha).

Leon Rosenthal (nova-iorquino, chefe de propaganda comunista na
Espanha).

Albie Sachs e Yossel Mashel Slovo (chefes do Congresso Nacional
Africano).

Olga Benário (terrorista comunista alemã, mulher do comunista Luís
Carlos Prestes).

Rosa Luxemburgo (líder do movimento espartaquista na Alemanha).
-------------------------------------------------------

CURIOSIDADES:

Karl Marx era descendente de rabinos judeus por parte do pai e da
mãe.

O verdadeiro nome de Kerensky (líder da revolução que derrubou o
czar, posteriormente derrubado por Lênin) é Adler, sendo seu pai
judeu e sua mãe judia. Morto o pai, a mãe tornou-se a casar com um
russo chamado Kerensky, cujo nome o estadista e advogado adotou.

Ninguém até agora pôs em dúvida a nacionalidade de Trotsky, que é
judeu, e cujo verdadeiro nome é Bronstein.

Lênin era um quarto judeu e casado com uma judia.

Stalin não era judeu (há quem questione essa informação), mas
pertencia a seita caraíta, ligada ao judaísmo.

Os judeus sempre ocuparam mais de 80% de todos os altos cargos do
governo bolchevique, apesar de serem 1,5% da população. Em 1918 a
mais alta burocracia - Soviets e ministérios - contava com 534
indivíduos, dos quais 429 eram judeus.
-------------------------------------------------------
O financiamento da Revolução Russa foi feito pelos judeus americanos
Jacob Schiff, Felix Warburg, Max Breitung, Otto H. Kahn, Mortimer
Schiff, Jerome H. Hanauer, e pelo Banco Kuhn Loeb & Co.
-------------------------------------------------------
FONTE
 http://abbc.com/islam/portugues/poder/maariv.htm

Clique na fonte e fique sabendo da realidate contemporanea.

Jesus



Israel /INGLATERRA / U.S.A
Armindo Augusto de Abreu 21/04/2003 01:48
 http://www.armindoabreu.ecn.br/ARTIGOS.htm


O conteúdo destes artigos só poderá ser copiado, exibido e
divulgado, desde que citados o autor e a fonte.
Armindo Augusto de Abreu
 http://www.armindoabreu.ecn.br/ARTIGOS.htm

O SOMBRA
(ou à sombra)
Armindo Augusto de Abreu
Sem qualquer sombra de dúvida, a vida do nosso herói nada teve em
comum com a do seu homônimo do rádio, do cinema e das histórias em
quadrinhos. Não possuindo nenhum charme, car isma ou " glamour", sua
única e duvidosa contribuição à elegância da época foi o uso de um
inseparável chapéu de abas lar gas e de camisas sociais com
colarinhos altos e engomados, ao
melhor estilo "Santos Dumont". Nascido em Houston, Texas, era o
sétimo filho de um próspero e abastado banqueiro, negociante,
exportador, grande latifundiário e fazendeiro de algodão e açúcar,
que representava interesses britânicos nos Estados Unidos. Discreto,
arguto e aplicado, recebe
primorosa educação superior voltada para o excitante mundo dos gr
andes negócios, das articulações e do lobby político.

À semelhança dos "marqueteiros eleitorais" de nossos dias, de quem
foi, sem
dúvidas, o inequívoco precursor, ele se dedica, de corpo e alma, à
formulação de campanhas eleitorais para o governo do Texas, sempre
vitoriosas. Elege, sucessivamente, para o cargo, os governadores
Hogg, Culberson, Sayers e Lanham. A despeito de sua grande modéstia
e simplicidade, recebe pela proeza de eleger tantos governadores o
título de Tenente Coronel da
Guarda Nacional do Texas. Demonstra satisfação e orgulho pela
patente, e por ela fica desde então conhecido, passando à história
como o "Coronel".
As indiscutíveis qualidades do "coronel sombra", personalidade
discreta e confiável, sólida formação acadêmica, sucesso
profissional esplendoroso, perfil sócio-político liber al apesar de
idéias em favor de um governo central totalitário, porém tolerante e
de cunho social, fazem dele o interlocutor favorito da elite
oligárquica européia.

Secretamente, esse grupo de líder es pretendia lançar os alicerces
de uma Nova Ordem Mundial, mais conveniente a seus interesses no
continente
americano, um tanto contrariados desde a guerra da independência.

Manejando poderosos interesses políticos, comerciais e econômicos no
Novo Mundo, lembravam-se, com grande nostalgia, de que a antiga
ordem lhes dera os tempos aventureiros dos séculos XVIII e XIX e o
despertar da Idade
Industrial, bem como as delícias da chamada "Pax Britannia" com os
impérios coloniais Espanhol, Português, Holandês, Francês, Germânico
e Britânico. Apesar da coligação de forças e interesses que a
inspirara ser meramente terrena, apátrida e sem visíveis motivações
religiosas, essa Era tinha
sido, essencialmente, um tempo de paz forçada, administrada segundo
o código de ética cristã.

A despeito da solidez aparente, tal ordenamento colonialista começou
a esbarrar na força emergente da América, contrariando a velha tese
oligárquica de que o Terceiro Mundo era inferior à sociedade

2
civilizada da Europa Ocidental. Foi, assim, que a antiga aspiração
européia de manipular o destino do Novo Mundo esbarrou na
contundente derrota dos ingleses em Yorktown, Vir gínia, em 1781.

Ali, muito embora a guerra da independência ainda estivesse em curso
e a Revolução Francesa viesse a demorar oito anos para ocorrer, a
Velha Ordem era sepultada, para sempre, e o mundo se obrigava a
mudar suas ambições imperiais hegemônicas asseguradas pelo simples
uso do poder da
guerra.

Quando a América começou, finalmente, a flexionar seus músculos, os
poderes elitistas europeus entenderam que aquelas imensas riquezas
não mais poderiam ser mantidas ou controladas à força.
A sutil alternativa seria o uso da astúcia, movida pelo investimento
financeiro, pela ação de pessoas aliadas, pela compra de núcleos de
iniciativa empresarial, mesmo que ainda incipientes, e pela
aquisição de vastas porções de terras. Mas, sobretudo, sabiam os
financistas e negociantes
europeus que poderiam controlar a economia dos Estados Unidos se
lhes pudessem impor um equivalente americano ao Bundesbank, ao Banco
da Inglaterra, ou ao Banco da França, isto é, um Banco Central
Independente e... privado...! Para liderar tarefa tão ambiciosa,
complexa e secreta
precisavam da competência e da discrição de um aliado americano,
leal e competente, plantado no coração do governo. O "Sombra",
portador de inusitada e impressionante obra de engenharia política,
formação e antecedentes familiar es impecáveis, tornava-se o natural
aspirante para a
formidável tarefa de eleger e tutelar um Presidente da República dos
Estados Unidos ! Afinal, desde aquela época, já se afirmava
que... "nenhum outro norte-americano do seu tempo foi tão bem e
proximamente relacionado com tantos homens de prestígio
internacional"...

1 , especialmente banqueiros, a quem fora introduzido pelo pai
durante seu período de educação na Grã-Bretanha.
Aprovado unanimemente para a missão, sua primeir a tarefa seria
selecionar o nome ideal à candidatura presidencial. A escolha recai
sobre a apagada figura de Woodrow Wilson, a quem é apresentado em
1911. Desde esse encontro, passou a concentrar esforços no sentido
de obter sua indicação à presidência pelo partido Democrático, cuja
decadência eleitoral era notável àquela
época.

Recebendo o apoio integral e ostensivo de famílias americanas de
prestígio político e financeiro como os Rockefeller, Jacob Schiff,
Bernard Baruch, Thomas Fortune Ryan e Adolf Ochs, não teve grandes
dificuldades em consegui-lo. Wilson era um homem digno, sem mácula e
um cristão honrado, porém totalmente alheio às complexidades das
finanças internacionais e do
governo federal. Refém da imensa força que o apoiava, tão logo
eleito, em 1912, delega ao Coronel plenos poderes nessa área.
O "Sombra" torna-se, então, a eminência parda do Poder e responsável
direto pelas providências que facilitariam a influência da banca
internacional sobre a liberdade e a integridade patrimonial e
política da América.
1 Dicionário Conciso de Biografias, de SCRIBNER O "SOMBRA" COORDENA
A FUNDAÇÃO DO ''FED"
- UM BANCO CENTRAL PRIVADO PARA OS ESTADOS UNIDOS!!!
..."Eu acredito que as instituições bancárias sejam mais perigosas
para as nossas liberdades do que exércitos aprestados. Elas já
criaram uma aristocracia do dinheiro que desafia o governo.
O poder de emissão do dinheiro devia ser tomado dos bancos e
restaurado ao governo, seu legítimo proprietário"...
THOMAS JEFFERSON.

Havia no seio da sociedade americana, no início do século XX, uma
sensação
generalizada de medo. Crises financeiras, ocorridas ao correr do
século XIX, com especial ênfase nos anos de 1873 e 1893, haviam
deixado marcas de profunda insegurança na população.

Em 1836, havia cerca de 12.000 tipos de moedas em circulação no
país, das quais, cerca de 5.000 eram totalmente fraudulentas ou
falsas. Não existia coordenação monetária unificada e cada banco em
funcionamento emitia sua própria moeda, lastreada em espécie, prata
ou ouro. Era, como se
percebe, um sistema caótico. Havia, porém, sérias resistências
populares à criação de uma autoridade bancária central, pela
memória, ainda muito viva, dos tempos coloniais de severa submissão
aos rígidos padrões monetários ingleses. Somente com a eclosão da
guerra civil, em situação de grave crise, o país logrou imprimir,
pela primeira vez na sua história, uma moeda
verdadeiramente nacional, denominada "Greenbacks". Apesar do largo
alcance dessa medida, os banqueiros, emissores de moedas próprias,
obtiveram do Congresso certas restrições para uso dos Greenbacks,
que ficaram limitados ao pagamento de salários dos soldados e
transações correntes
dos cidadãos, não podendo ser usados na quitação de juros da dívida
interna, impostos ou tarifas de importação. Paralelamente aos
Greenbacks, circulavam o ouro e a prata, fazendo com que, ao final
da guerra, a nova moeda tivesse perdido fé pública e seu valor
reduzido a apenas 30% do poder
liberatório inicial. Tal sistema, aliado às crônicas crises de
escassez de moeda, inflação, deflação ou depressão, que se
alternavam, respondiam pelos temores dos cidadãos. Em 1907, nova
crise se apresenta e o povo entra em pânico...

"Centenas de milhares de pessoas perdem suas propriedades,
milhares de trabalhadores perambulam pelas ruas. Não havia dinheiro.
As pessoas haviam depositado seu dinheiro nos bancos, mas os bancos
estavam fechados"... 2 . Então, aproveitando o momento crítico, os
banqueiros começam a trabalhar na criação de uma nova moeda e de um
sistema financeiro que lhes permitisse a concessão de créditos em
larga escala. Eles já vinham pregando, há anos, a idéia de um banco
central para os Estados Unidos. Alegavam que, então, não haveria
mais escassez de moeda, nem pânico, nem depressões, inflação ou
deflação...

"Os banqueiros haviam se empenhado nesse objetivo há anos e podiam
esperar. Eles sabiam exatamente o que estavam fazendo. E os seus
métodos eram tão sutis, tão refinados e tão secretos que as Dr.
MARTIN A. LARSON, in The Storical Fight for Honest Money in the U.S.

pessoas jamais saberiam o quanto estavam sendo roubadas"...3 . Em
novembro de 1910, houvera uma reunião preparatória, sigilosa, entre
poderosos do mundo e líderes financeiros americanos, na paradisíaca
ilha de Jekill, em frente à costa do Estado da Geórgia. Os
participantes mais poderosos foram, do lado americano, o senador
Nelson Aldrich, avô do banqueiro e multi-milionário Nelson
Rockefeller e, pela oligarquia européia, Paul Moritz Warburg. Paul
Warburg representava a poderosa Casa Rothschild, da Alemanha, e,
havendo se mudado para New York em 1902, comprou,
com dinheiro dos Rothschild, importante participação societária na
prestigiosa Casa Bancária Kuhn, Loeb & Co. daquela cidade. Os demais
sócios na empreitada eram Jacob Schiff, cabeça da instituição por
casamento com Teresa Loeb e Otto Kahn. Paul Warburg, também titular
de negócio
próprio, a Casa Warburg, de Hamburgo, era igualmente casado com uma
filha do Sr. Loeb, sendo, portanto, cunhado de Jacob Schiff. Pelos
laços do parentesco, tornara-se ainda mais sólido o investimento.

Como já visto, o que esses banqueiros desejavam, e para isso vinham
se preparando há tanto tempo, era instituir um sistema financeiro
privado que desse fim à desordem e à insegurança reinantes. Ele
deveria, entretanto, ser estabelecido pelo governo federal, que
ficaria inteiramente responsável pelas obrigações contraídas ante o
banco central privado. As cédulas de
dinheiro emitidas seriam papéis privados e geridos, exclusivamente,
pelo sistema bancário.

Os bancos, então, poderiam, em conjunto, controlar a oferta
monetária, determinar as taxas de juros e o volume do crédito. Com
organização tão precisa, eles teriam o controle f inanceiro total do
país e do destino de seu povo. Foi, portanto, com esse intuito que o
grupo de conspiradores passou duas semanas articulando-se na ilha de
Jekyll. Viajar am de New York para a Georgia num trem particular,
hermeticamente fechado; usar am codinomes e foram servidos por
pessoas que não puderam saber quem eles eram.

Os princípios gerais das matérias debatidas foram acordados e podem
ser sintetizados nesta assertiva de Paul Moritz
Warburg:..."Precisamos fugir desse estigma de empresa privada. Temos
de convencer o povo de que é uma agência governamental. Temos que
batizá-lo de Sistema da Reserva Federal (Federal Reserve
System)"...4 . Faltava, apenas, quem materializasse, na prática,
essas idéias tão ousadas, tarefa naturalmente reservada para a
extrema competência do Sombra.

O Coronel, como vimos, entrara em ação e Wilson, indicado candidato
democrata, venceu a corrida presidencial contra Ted Roosevelt. De
sua plataforma eleitoral, redigida pelo Coronel, constavam duas
promessas solenes: a primeira, de se opor, tenazmente, ao poder dos
banqueiros de Wall Street; a segunda, de manter os Estados Unidos
longe da guerra.
Logo depois de eleito, Wilson, inspirado nas idéias e pressões do
Sombra, faz passar a Décima Sexta Emenda à Constituição que lhe
permite aprovar, em pleno recesso do Congresso no Natal de 1913, o
projeto de criação de um conjunto de doze bancos regionais, de
controle acionário privado,
3 Dr. MARTIN A. LARSON, in The Storical Fight for Honest Money in
the U.S.

4 Idem.

cada um deles denominado Feder al Reserve Bank of... (nomes
individuais das regiões onde fossem instalados), constituindo um
sistema integrado (Feder al Reserve System). Este, por sua vez,
governado por um "board", com membros indicados pelos acionistas
privados e pelo governo central, denominado Feder al Reserve Board.
Além disso, ainda aconselhado pelo Coronel, Wilson
consegue aprovar a legislação que altera regras da cobrança e
vinculação específica de receitas do Imposto de renda, obrigando o
contribuinte americano a pagar diretamente pelos empréstimos que os
banqueiros passariam a fazer ao Tesouro, através do Fed, com moeda
que os doze bancos do Sistema estavam autorizados a emitir
livremente. "De uma só penada, o controle da economia dos Estados
Unidos e do sistema monetário foi removido do Congresso, a quem
esses poderes eram conferidos pela Constituição 5 . E, daquele
momento em diante, a economia passou a ser controlada, anonimamente,
por banqueiros e homens de finanças, na mera qualidade de
acionistas, "proprietários" do sistema bancário central privado, o
Federal Reserve System...

O povo deixava de ser o senhor absoluto do destino de seus impostos
e do Orçamento, uma vez que a arrecadação do imposto de renda
estava, agora, diretamente vinculada à satisfação dos financiamentos
concedidos pelo Fed. ao Tesouro.

Era a ascensão definitiva do "Money Power"...apesar de,
enigmaticamente,
essas duas medidas, que garantiram o domínio financeiro dos Estados
Unidos pelos capitalistas da banca privada, também constassem do
ideário propugnado pelo... "Manifesto Comunista"!...

A título de ilustração, recomendamos uma rápida passada de olhos no
anverso de qualquer nota de dólar americano, até encontrar um
pequeno selo, de forma circular, com uma letra maiúscula ao centro,
à esquerda da efígie presidencial. Este selo identifica qual dos
doze bancos regionais do FED. a emitiu...

Essa verificação, entretanto, só será possível em cédulas emitidas
antes de 1998, pois as de nova efígie, impressas recentemente,
omitem tão interessante informação. Elas agora mostram apenas, no
mesmo local, a logomarca do Federal Reserve System...Quanto à
segunda promessa da campanha, três anos depois de eleito Wilson se
transforma num defensor intransigente da guerra, visando a ...

"tornar o mundo seguro para a democracia"... O FED financia o
esforço nacional para o conflito e credencia seus membros
como "dealers" na venda de bônus de guerra, aumentando seus lucros.
Porém, o que nem Wilson, nem o Sombra, conseguiram dissimular, foi o
fato de que a entrada dos Estados Unidos na I Grande Guerra, além
das alegadas razões altruísticas,
permitiu aos banqueiros internacionais, acionistas do FED, cobrarem
os enormes empréstimos que haviam feito antes à França e à
Inglaterra, então inadimplentes.

Com o portentoso nascimento do Fed, unindo no maior e mais poderoso
empreendimento financeiro da história da humanidade o poderio dos
Rothschild, Warburg, Schiff, Kahn, Loeb, Belmont, Morgan e
Rockeffeler, a oligarquia política e financeira européia, pelas mãos
competentes do Sombra e de Woodrow Wilson, consegue, na prática e em
nome do controle total das
finanças globais, algo sublime e antes inimaginável: um GRANT
JEFFREY, in FINAL WARNING

O SOMBRA
Armindo Augusto de Abreu 21/04/2003 02:01
 http://www.armindoabreu.ecn.br/ARTIGOS.htm


sincretismo de capitais, que sincroniza séculos e séculos num
portentoso casamento aparentemente indissolúvel. O resultado desse
casamento se revela, em sua verdadeira grandeza, no pós-guerra,
quando, na reunião de Bretton Woods, o dólar americano, uma simples
moeda de emissão
particular, é escolhido como valor de referência e centro
planetário, peso e medida do sistema financeiro internacional!!! O
mundo tem, enfim, sua moeda fundamental, porém ainda não a única,
controlada integralmente pela banca privada, embora disso não se
tenha apercebido claramente, sendo esta a herdeira universal de todo
o imenso e inesgotável poder que tal capacidade possa representar!!!
O SOMBRA COORDENA A CRIAÇÃO DO COUNCIL ON FOREIGN RELATIONS - C.F.R
.
...."Há um poder oculto tão organizado, tão sutil, tão atento, tão
fechado em torno de si próprio, tão completo, tão corruptor que não
se pode elevar a voz quando se desejar criticá-lo".

WOODROW WILSON, após deixar a Presidência.
Apesar da vitória aliada na I Guerr a Mundial, seus horrores e as
mortes de dezenas de milhares de cidadãos e soldados chocaram as
populações e os governantes da Europa e da América.

Depois de calados os canhões, os principais líderes políticos,
intelectuais, financeiros e de negócios entenderam ser
imprescindível lançar sementes que pudessem vir a estabelecer as
fundações de um governo global unificado, eliminando divergências
entre estados nações e prevenindo a ocorrência de uma outra guerra
devastadora.

Essa elite de líder es também percebeu que, caso alcançasse tal
objetivo, estaria gerando uma tremenda oportunidade de garantir,
para si e seus associados, poder e riquezas além da imaginação.
Constataram, entretanto, que pouquíssimas pessoas estariam dispostas
a abrir mãos da soberania de seus países em favor de uma denominação
estrangeira inerente a um governo mundial unificado. Em razão disso,
entenderam que, para atingir seus objetivos finais, deveriam
organizar e impor seu projeto de um governo global e totalitário, de
forma lenta, sub-reptícia, utilizando no seu preparo a colaboração
de organizações semi-secretas e de lealdades forjadas a qualquer
preço... Essas instituições, muitas vezes de utilidade e uso
públicos,guardariam unidade de operação, obedientes às diretrizes
emanadas de outras organizações hierarquicamente superiores, numa
administração de ordenamento e sigilo piramidais.

Um esquema organizado dessa forma, com largos e generosos
financiamentos, permitiria, como de fato vem ocorrendo
paulatinamente, desde então, que o pensamento convergente,
unificado, globalizado, alcançasse a mídia, a universidade, os
partidos políticos, a consciência popular, os parlamentos e, até
mesmo, certas confissões religiosas. Banqueiros, que participaram
intensamente do esforço de eleição de Wilson e dela se beneficiaram
assumindo o controle acionário do Fed., não mediram
esforços financeiros e políticos para alcance desses objetivos, já
parcialmente atingidos em sua operosa esfera de atuação.

Como fez, por exemplo, Paul Warburg, ao declarar aos senadores norte-
americanos:
"Teremos um governo mundial, gostemos ou não disso. A única questão
é, somente, sabermos se o governo mundial será atingido por
consentimento ou por conquista"6 .

Disposta a opinião pública, depois de longo e elaborado preparo que
envolveria ações desses centros de poder, de seus líderes e
prepostos, a implantação formal do projeto poderia, então, ser feita
em caráter definitivo. Era preciso, entretanto, que o primeiro passo
fosse rapidamente implementado.

Delegados à Conferência de Paz, em Paris, 1919, reuniram-se em 30 de
maio no Hotel Majestic para traçar diretrizes que conduzissem os
governos mundiais a uma resultante unificada. Não obstante, o
pretexto oficial para essa reunião foi o de fundar um organismo que
congr egasse líderes
privados das finanças, comércio e indústria, os quais atuariam
como "Conselheiros" de seus respectivos governos no planejamento da
política econômica e nas relações exteriores, para fins de
cooperação internacional. Com esse espírito, os Estados Unidos,
liderados por um representante pessoal do Pres. Wilson à
Conferência, congregaram um elenco de "pesos pesados" do cenário
mundial e fundaram o Council on Foreign Relations - C.F.R.
Estabelecido em New York em 1921, com um corpo inicial de 273
membros notáveis, sua porção mais visível é um lindo prédio naquela
cidade, denominado Pratt House, na esquina de Park Ave. com a Rua
68, coincidentemente muito próximo à Embaixada Russa. O Sombra era
esse representante diplomático e foi, certamente, o responsável
pelas principais idéias que têm norteado suas ações ao longo dos
anos.

Simultaneamente à criação do C.F.R., organizações paralelas foram
fundadas em diversos outros países de forma a alinhá-los com os
planos crescentes de uma verdadeira associação mundial.

Assim, em Londres, Inglaterra, uma elite semelhante formou o Royal
Institute of International Affairs (Grupo Chatam House); na França,
em Paris, surgiu o Centre D´Etudes de Politique Étrangèr e e em
Hamburgo, Alemanha, o Institut Fur Answartige Politik, todos
empenhados em conciliar interesses europeus com diretrizes do C.F.R.
Posteriormente, o sistema foi tomando sua
dimensão tentacular contemporânea, ante a criação, adesão e
incorporação de instituições como o Grupo dos Sete, a Comissão
Trilateral, o Diálogo Interamericano, o Consenso de Washington, a
Sociedade Liberal de Mont Pélérin, The Bilderbergers, The Alliance,
The Council of Europe, o Clube de Paris, o Clube de Roma, o
Movimento Federalista Mundial, a APEC, a Mídia mundial, algumas das
mais conceituadas Universidades, as sociedades secretas, a maioria
das Organizações Não Governamentais (ONGs), etc...

Quanto ao C.F.R., é fato notório que, desde a sua fundação, vem
atraindo para seus quadros homens de poder e influência e, em
contrapartida, conhece
meandros do poder e os indica a membros selecionados. Tal capacidade
ficou explícita a partir de 6 Em depoimento prestado à Subcomissão
de Relações Exteriores do Senado Americano, em 17.02 1950.

1940, quando, a convite do Pres. Roosevelt, oficiais do C.F.R.
ganharam influência sobre o Departamento de Estado e tem-na mantido,
desde então. Basta conhecer que foram membros do C.F.R. todos os
Secretários de Estado, menos um, desde 1940 e todos os Secretários
da
Guerra/Defesa, sem exceção, desde 1940. Essa influência, a partir
daí, só tem feito crescer e se espalhar por outras áreas vitais da
sociedade americana, ganhando depois o mundo. "Não ser ia exagero
afirmar que esse grupo de elite tem formado o verdadeiro governo
secreto dos Estados
Unidos desde 1945, uma vez que, além de líderes dos negócios,
financeiros, intelectuais, militares e políticos, nele se incluem os
líderes dos partidos Republicano e Democrático"7 . Durante a eleição
presidencial de 1992, os americanos puderam escolher entre
os "sabores presidenciais" que o C.F.R.
tinha para lhes oferecer, pois, segundo o "Council On Foreign
Relations Annual Report For 1993",
o Chairman Peter Peterson orgulhosamente informava aos distintos
associados que os candidatos presidenciais, George Bush, Bill
Clinton e Ross Perot eram todos membros do C.F.R".

Associados do Conselho também já controlar am ou controlam a NBC, a
CBS, o New York Times, o Washington Post, o Los Angeles Times, o Des
Moines Register, e muitos outros jornais de primeiríssima linha. Os
líderes das revistas Time, Lif e, Newsweek, Fortune, Business Week e
de inúmeras outras publicações também são membros do C.F.R. Outros,
dominam as demais mídias, o mundo acadêmico, sindicatos, corporações
de topo, segmentos militares e praticamente todas as áreas de
importância da vida americana, como se pode depreender da lista que
se segue:
Feder al Reserve Board; FMI; Banco Mundial (Bird); GATT; Fundações
Rockefeller, Ford e Carnegie;
Chase Manhattan Bank; First Nat´L City Bank; J.P.Morgan Bank;
Universidades de Harvard,
Columbia, Chicago e Yale.
No campo da política externa, o braço visível do C.F.R. é a revista
Foreign Affairs.

Sentado no topo dessa imensa pirâmide de poder, como "Chair man of
the Board, reina, absoluto, David Rockefeller.

..."Como em todas as outras nações do mundo, também nos Estados
Unidos existe uma organização que atua por trás das cortinas. Ela
possui um enorme poder. Tem controlado a política econômica e os
objetivos da política externa dos EEUU pelos últimos 70 anos, quer o
homem sentado na Casa Branca tenha sido Democrata ou Republicano,
liber al ou conservador,
moderado ou extremista. Este poder paira acima de quaisquer
eleições, porém tem sido sempre capaz de promover seus resultados.

Além da administração da riqueza, seu principal objetivo é o
estabelecimento de um governo mundial único, onde o controle do
dinheiro estará nas mãos de um ou mais bancos centrais privados e
independentes"..

8 . Da mesma forma, entre a intelectualidade americana já existe a
firme convicção de que ... "para o bem ou para o mal, as Nações
Unidas como
agora as conhecemos, o FMI, o Banco Mundial e o Acordo de Bretton
Woods não foram trabalho GRANT JEFFREY in FINAL WARNING. 8 PAT
ROBERTSON, in The New World Order, Word Pub. Pag.113.

do governo dos Estados Unidos, por si próprio, mas de membros do
C.F.R. encarregados de cumprir metas daquela organização"... O
SOMBRA COORDENA A CRIAÇÃO DA LIGA DAS NAÇÕES

"Estamos nos aproximando do momento em que a única escala efetiva de
operações de alguma importância será a escala global. Os estados
nações terão que ser privados de sua soberania e subordinados à
soberania de um
governo mundial global.

Penso que esse estado mundial necessitará de uma polícia armada e
deverá dispor de força suficiente para poder impor a paz... O povo
de cada atual estado soberano independente terá de renunciar à
soberania de seu país e subordinar-se à soberania suprema de um
governo mundial estabelecido".

ARNOLD TOYNBEE, hist oriador, in "SURVIVING T HE FUTURE."
"Para se chegar ao governo mundial será necessário remover das
mentes dos homens o seu individualismo,
a lealdade às tradições familiares, o patriotismo nacionalista e os
dogmas religiosos"
BROCK CHI SOLM, U.S. WORLD HEALTH ORGANIZATION
O passo mais significativo do Sombra em sua agenda globalizante foi,
em 1920, após o fim da I Grande Guerra, conduzir Wilson à criação da
Liga das Nações. "Esta foi a primeira tentativa realmente séria de
se estabelecer um governo mundial unificado" , e ..."embora o
Coronel..., conselheiro do Pres. Woodrow Wilson tivesse feito todo o
possível para iludir a América
levando-a a se filiar à Liga das Nações, baseada em Genebra, o
Senado dos Estados Unidos reconheceu os perigos de uma interferência
e dominação estrangeiras.

O Senado recusou-se a ratificar a filiação da América e manteve os
Estados Unidos fora do sistema internacional até o final da II
Grande Guerra". Esta rejeição, pelo Senado, foi uma ducha de água
fria nos planos do Coronel
e adiou a agenda globalista por várias décadas 11 . Desapontado,
porém não vencido, o Sombra e seus amigos continuaram a marchar em
direção aos planos do governo mundial e foi, então, que fundaram o
Conselho de Relações Exteriores (C.F.R.), na forma anteriormente
relatada, como alternativa de conquista do poder global pela via
indireta, em caso de fracasso da Liga das Nações.

Constava dos planos secretos de criação da Liga que esta, como
embrião de um futuro governo mundial global, dever ia diligenciar
para que os estados membros se organizassem em torno de princípios
comuns; aceitassem decidir disputas em cortes de justiça globais
universalmente aceitas; formassem uma força policial capaz de impor
sanções decretadas pela Liga aos seus membros; adotassem moeda e
sistema bancário únicos; aceitassem a abolição de fronteiras fixas,
do conceito de Soberania e de quaisquer princípios religiosos!!! M
arx, ao que se afigura, não
9 PAT ROBERTSON, in The New World Order, Word Pub. Pag.113. 10 GRANT
JEFFREY, in FINAL WARNING 11 Idem.

estava sozinho ao imaginar e afirmar que "a religião é o ópio do
povo"... A recusa firme e heróica do Senado americano em aderir a um
organismo com tal tipo de filosofia encontrou, sempre, firme apoio
popular que, inclusive, vem demonstrando crescentes desconfianças em
relação à ONU, que
lhe sucedeu, e a outros organismos internacionais, como o FMI e o
Banco Mundial (Bird).

Movimentos de resistência interna, conhecidos como milícias, embora
recebam do governo federal e do FBI, que lhes dá combate, tratamento
de "fanáticos religiosos", têm como principal foco de repulsa a
possibilidade, que vêem com sincera preocupação, de vir a ONU, em
futuro próximo,
substituir o atual sistema de governo e de aplicação da lei,
tolhendo ou destruindo os valores mais fundamentais de sua sociedade
e cultura: a justiça e a liberdade!!!
O SOMBRA DESAPARECE,
DEIXANDO IMENSO LEGADO POLÍTICO E A AGENDA DA
"NOVA ORDEM'' E DA GLOBALIZAÇÃO

"O mundo é governado por personagens muito diferentes daquilo
que é imaginado pelas pessoas que não estão por trás dos bastidores"
BENJAMIN DISRAELI - 1º Minist ro da Rainha Vitória
"Os tempos da soberania absoluta e exclusiva, entretanto, já
passaram.
Essa teoria jamais se conformou à realidade"

BOUTROS BOUTROS-GHALI,
Secret ário-Geral da ONU - Relatório "AN AGENDA FOR PEACE, 1992
Em 1938, o Sombra, cujo nome de batismo era Edward Mandell House,
veio a
falecer. Seus planos de formação de um governo mundial unificado,
entretanto, jamais foram abandonados ou interrompidos por aliados,
seguidores ou patrocinadores.

Talvez o aspecto mais enigmático e curioso da fantástica história do
Sombra é que, tendo ela ocorrido em solo da maior democracia liberal
do planeta, os Estados Unidos, uma inédita e ainda pouco explicada
associação de respeitados capitalistas, empresários e banqueiros,
tenha financiado planos concebidos e executados por um assumido
marxista, cujo objetivo final teria sido, nada mais nada menos, do
que socializar os Estados Unidos.

Em 1912, o Coronel House, bem ao seu estilo "low profile", escreveu
um livro, sob a forma de romance ficcional, chamado Philip Dru:
Administrator - A Story of Tomorrow, único documento do seu legado
contendo idéias teóricas, onde ele defende uma "conspiração"(o termo
é dele) através da qual ganharia o controle dos Partidos Republicano
e Democrático e usaria a ambos como instrumentos da criação de
governo mundial socialista.

Assumiu, também, estar trabalhando pelo "socialismo como sonhado por
Karl Marx" e defendeu a tese de que a economia mundial fosse gerida
por uma oligarquia financeira anglo-saxônica e um ditador mundial
servido por um "Conselho de Doze Homens Fiéis". O Coronel
House, "amigo íntimo de homens internacionais famosos", deixou claro
e patente que possuía sonhos realmente grandiosos.

Entre estes, sobrepôs-se o da criação de uma Nova Ordem Mundial,
dominada pelas finanças anglo-americanas, com ele próprio à frente,
assumindo o papel do ditador propugnado em seu único livro. Para
tanto, seria absolutamente necessário, em primeiro lugar, o colapso
e a dissolução das monarquias da "antiga ordem".

Apesar do apoio incondicional que sempre recebeu de seus
patrocinadores, maior do que qualquer outro homem na história da
humanidade, O Sombra
não viveu o bastante para ver realizados todos esses seus sonhos
delirantes de poder. Porém, o generoso suporte financeiro dos
banqueiros de Wall Street, conta-nos em voz baixa a história, que
jamais faltou ou foi insuficiente para estimular os esforços
revolucionários de Marx, Trotsky e Kerensky na derrubada de Nicolau
II, o Czar de todas as Rússias, continuou fluindo, mesmo após a
morte do Sombra, para a realização da fracassada utopia comunista na
antiga União Soviética!!!

Qual seria, então, a explicação lógica para esse enigmático
mistério, que juntou no mesmo jogo de influências e interesses,
durante quase todo o Século XX, homens de negócios, políticos,
intelectuais, idealistas, inocentes úteis, o "Manifesto Comunista",
banqueiros capitalistas e revolucionários
marxistas e leninistas...? Puro idealismo? Sonhos visionários de
poder desmedido?

Ambição irrestrita e desenfreada? Algum tipo de fervor
determinístico ou transcendental? Ou, até mesmo, todos esses fatores
combinados?
Ao arguto leitor, deixo estes elementos de provocação e o ônus das r
espostas que, não por acaso, passam a se constituir em parte do
formidável e misterioso legado do Coronel House.

Se, porventura, não se sentir à vontade para decifrar, a contento,
tão intricado enigma, console-se:
afinal, de todo o mal que se esconde nos corações humanos, só o
Sombra sabe!!!...

POST-SCRIPTUM
Na primavera de 1991, num artigo denominado 'Muito merecida
audiência para a Nova Ordem de Wilson", o jornal Washington Post, em
artigo firmado pelo jornalista Edwin M. Yoder Jr., af irmava que já
era hora do mundo dar o devido crédito ao Pres. Wilson e ao Coronel
House como os verdadeiros autores da Nova Ordem Mundial e da
Globalização. Que Deus os tenha!
(*) Este ensaio corresponde à parte do texto completo de livro do
autor, em elaboração, com o nome provisório de "A Face Oculta da
Globalização".


O conteúdo destes artigos só poderá ser copiado, exibido e
divulgado, desde que citados o autor e a fonte.

Armindo Augusto de Abreu
 http://www.armindoabreu.ecn.br/ARTIGOS.htm

previsoes
. 21/04/2003 02:17
 http://hospedagem.infolink.com.br/nostradamus/index.htm

Jesus
Os espiritos superiores ja estao nos preparando para o dia. Agora e
necessário que se divulgue. Nostradamus previu a divulgacao destas
mensagens no meio de Abril/2003
Vamos elevar nossos espiritos a deus e ele nos guiara contra o satã
que surge. Hoje e a pascoa,o dia da ressureicao de cristo.

"Nada está ocolto senão para ser manifesto, e nada se faz escondido
senão para ser revelado".


Más información a

 http://brasil.indymedia.org/pt/blue/2003/04/253051.shtml





EL NUEVO ORDEN MUNDIAL(GLOBARIZACION) 
RUBEN - 01.02.2004 14:51

SALUDOS

LA GLOBARIZACION(NUEVO ORDEN MUNDIAL) ES SOLO PARA QUE LA ELIT MUNDIAL SE HAGA MAS Y MAS RICA,Y ASI LO QUE ESTAN DETRAS DE ESTA GLOBARIZACION Y DEL NUEVO ORDEN MUNDIAL,HARAN CONTROLAR TODA LAS ECONOMIA MUNDIAL,YAQUE QUIEREN HACER UNA ECONOMIA MUNDIAL,MONEDA MUNDIAL,COMERCIO MUNDIAL(BM,FMI,BUE,OMC),Y SEGUIRAN HACIENDO UN SOLO:

-GOBIERNO MUNDIAL

-RELIGION MUNDIAL

-FUERZA ARMADA MUNDIAL

-EDUCACION MUNDIAL

Y ALGUNOS GRUPOS O ORDENES SECRETAS DE LA ELIT MUNDIAL,SON LO QUE YA CONTROLAN EL MUNDO Y MUEBEN LOS HILOS DEL MUNDO,Y ESTOS SON SUS NOMBRES:

-GRUPO BILDERBERG

-COMISION TRILATERAL

-CONSEJO DE RELACIONES EXTERIORES

-CLUB DE ROMA

-CRANEO Y HUESOS

-ILLUMINATI DISCORDIANOS

ESTOS GRUPOS Y ORDENES SECRETAN SON LO QUE TRABAJAN MUCHO POR FORMAR UN NUEVO ORDEN MUNDIAL,CON GLOBARIZANDO TODO, ELLOS PODRAN CONTROLAR ALAS MASAS Y TODO LO QUE UNO VEA,LEA,COMPRA,ESCRIBA EN INTERNET YA VAN SER OBSERBADO,PINCHADO ESCUCHADO POR LOS MIEMBRO DEL NUEVO ORDEN MUNDIAL.

Y ASI COMO MUCHAS;GUERRAS,INVASIONES,ATENTADOS TERRORISTAS,CAIDA DE LA BOLSA DEL MUNDO,EPIDEMIES MUNDIAL,POBREZA MUNDIAL,CAOS MUNDIAL,DESORDEN MUNDIAL ES PRODUCIDO POR ESTA ELIT MUNDIAL,PARA ASI CON EL DESORDEN Y EL CAOS MUNDIAL,HARAN SUS POLITICA DE EXTERMINIO DE LAS MASAS(YAQUE QUIEREN EXTERMINAR HA MAS DE DOS MIL MILLONES DE HUMANOS) Y DE AQUI PODRAN CONTROLAR ALAS MASAS.


ESTA GLOBARIZACION(NUEVO ORDEN MUNDIAL,NUEVA ERA) VA SER PURO SUFRIMIENTO,DOLOR,MUERTES,ENFERMEDARES PARA MILLONES DE HUMANOS,Y TAN SOLO TIENEN QUE VER LO QUE HICIERON LOS PAISES QUE MÁS TRBAJAN POR CREAR UN NUEVO ORDEN MUNDIAL(EEUU,GRAN BETRAÑA,ESPAÑA)PARA INSTAURAN CON UNA INVASION GUERRA,HA AFGANISTAN IRAK,INSTAURAN YA SU NUEVO ORDEN MUNDIAL,QUE PARA MI ES UN DESORDEN MUNDIAL.


TAN SOLO TIENEN QUE VER LAS NOTICIAS PARA VER COMO HAY ADIARIO HAY:

-ATENTADOS TERRORISTA

-CAOS Y DESORDEN

-HAMBRUNA

-EPIDEMIES

-DESEMPLEO

-SUCIDIO

-MUERTES

SOLO VEAN LO QUE HAN ELLOS LAS TROPAS DE EEUU Y GRAN BETRAÑA PARA FORMAR CON;INVASIONES,GUERRAS,MUERTES,EPIDEMIES,DESEMPLEO,YA HAN FORMADO EN "AFGANISTAR Y IRAK" HAN FORMADO EL NUEVO DESORDEN MUNDIAL(NUEVO ORDEN MUNDIAL).


AH BUSH,BLAIR,AZNAR SON ILLUMINATI DISCORDIANOS Y ELLOS SON LO QUE HAN CAMBIADO YA EL MUNDO,PORQUE HAN ECHO DESAPARECER EN VIEJO ORDEN QUE HABIA EN EL MUNDO,Y YA HAN INSTAURADO EN NUEVO ORDEN MUNDIAL(DESORDEN MUNDIAL).



ADIÓS
 
añadir comentarios
Título del comentario: (requerido)
su nombre: (requerido)
su email: (opcional)
su dirección web: (opcional)
idioma de su comentario: (opcional)
su comentario:  






(c) Centro de Medios Independientes de Ecuador. Todo el contenido puede ser reutilizado, difundido, publicado y propagado en la red a menos que el autor o la autora hayan explicativo otra cosa.